Páginas

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

O FARDO




“Cada qual levará a sua própria carga.” Paulo (Gálatas, 6:5)
Quando a ilusão te fizer sentir o peso do próprio sofrimento, como sendo excessivo e injusto, recorde que não segues sozinho no grande roteiro. Cada qual tolera a carga que lhe é própria.
Fardos existem de todos os tamanhos e de todos os feitios: A responsabilidade do legislador. A tortura do sacerdote. A expectativa do coração materno. A indigência do enfermo desamparado. O pavor da criança sem ninguém. As chagas do corpo abatido.
Aprenda a entender o serviço e a luta dos semelhantes para que não te suponhas vítima ou herói num campo onde todos somos irmãos uns dos outros, mutuamente identificados pelas mesmas dificuldades, pelas mesmas dores e pelos mesmos sonhos. Suporta o fardo de tuas obrigações valorosamente e caminha.
Do acervo de pedra bruta nasce o ouro puro. Do cascalho pesado emerge o diamante. Do fardo que transportamos de boa vontade procedem as lições de que necessitamos para a vida maior.
Dirás, talvez impulsivamente: “É o ímpio vitorioso, o mau coroado de respeito, e o gozador indiferente? Carregarão, porventura, alguma carga nos ombros?” Responderemos, no entanto, que provavelmente, viverão sob encargos mais pesados que os nossos, de vez que a impunidade não existe.
Se o suor te alaga a fronte e se a lágrima te visita o coração, é que a tua carga já se faz menos densa, convertendo-se, gradativamente, em luz para a sua ascensão.
Ainda que não possas marchar livremente com o teu fardo, avança com ele para a frente, mesmo que seja um milímetro por dia. Lembra-te do madeiro afrontoso que dobrou os ombros doridos do Mestre. Sob os braços duros do lenho infamante, jaziam ocultas asas divinas da ressurreição para a divina imortalidade.

14 comentários:

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

MARIA JOSÉ,
sabemos o por quê da frase inicial do testo:
“Cada qual levará a guarda-roupa planejado sua própria carga.”
Somos fruto do nosso passado; portanto responsáveis pelos erros cometidos. Porém, todavia e entretanto,tambem somos responsáveis pelo nosso futuro. Só depende de nós para evoluirmos.Bjs. Roy Lacerda.

josenaide coelho disse...

Sabemos o porque da frase de inicio.

Ives disse...

Eu que agradeço toda sua beleza e luz. Muita paz neste ano que se inicia, e que continuemos sempre em paz! abraços

josenaide coelho disse...

Saberá pesar a carga que carregamos até hoje? Para mim é,foi e será muito pesada para suportar por muito tempo.
Nós teremos sempre pesos e medidas.sem falar das gramas que sobram para todo sempre...

Bell disse...

oi Ma

Não podemos levar nas costas peso maior do que os nossos ombros suportam. Por vezes carregamos tantas coisas que deveríamos deixar pelo caminho.

bjokas =)

Bell disse...

oi Ma

Não podemos levar nas costas peso maior do que os nossos ombros suportam. Por vezes carregamos tantas coisas que deveríamos deixar pelo caminho.

bjokas =)

josenaide coelho disse...

É impossível querer descartar as cargas do passado.mesmo sem querer elas voltam e por vezes vem mais pesadas.Mais vamos jogá-las...e ficar com essa leveza que eu sinto hj nesse presente lindo que estamos hoje...

josenaide coelho disse...

Que seja de verdade..

josenaide coelho disse...

Quando fores pesar as tuas cargas pensa qual foi as que nunca deveriam ter sido.E fica feliz porque ninguém passa sem pesá-las.A vida faz questão de te dar mesmo sem saber o porque delas existirem na tua vida.

josenaide coelho disse...

A minha maior carga !

Adriana Paz disse...

Que pérolas tem seu blog,Maria José!


Soube agora que só se pode votar no meu blog até 22 horas do dia 11/12.

Número 634 repetido 5 vezes,ok?

Peça a todos e vc também que votem muitas vezes hoje,pois é o último dia!

Beijinhos

Dryka



Blog Suas Histórias Nossas Histórias

Carla Fernanda disse...

O sofrimento lapida... é escola para nós...
Verdade!!

Beijos

Beleza Sem Fim disse...

Adoro entrar no seu blog, me dá paz interior....
Adorei essa mensagem.
Beijos

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

MARIA JOSÉ,
A (O) COELHO CONTINUA SEM LENÇO E SEM DOCUMENTO E... SEM DIREÇÃO.
Abrçs. Roy Lacerda.