Páginas

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

DIMENSÕES



“Quem quer a eternidade, olha o céu. Quem quer o momento, olha a nuvem.” (Mia Couto)
No imenso vazio cósmico, um minúsculo ponto azul a flutuar. E neste pequenino planeta, de proporções insignificantes diante da vastidão do universo, a matéria fez-se vida. E a vida ganhou consciência na forma humana.
Na sua jornada terrena, os seres humanos se dividem basicamente em duas categorias: De um lado, temos aqueles que vivem as suas vidas em duas dimensões. Vivem em duas dimensões aqueles que sustentam que a experiência humana se resume ao nosso corpo físico e à nossa consciência. Vive em duas dimensões aquele que acredita que uma vez finda a jornada terrena, finda também o nosso existir.
Por sua vez, existem aqueles que acolhem uma existência constituída de três dimensões. Além do corpo e da mente, sustentam que somos constituídos por um componente sutil, imaterial, etéreo.
Vivencia a terceira dimensão do existir aquele dotado de olhos e ouvidos abertos à transcendência. Os que têm fome de pão, de beleza, e de verdade.
Viver talvez se resuma a isso: Escolher entre a bidimensionalidade ou a tridimensionalidade. Uma escolha diária, pessoal e intransferível.
Os cuidados com o corpo e a mente. Os cuidados com a alma, adicionalmente.
O que significa cuidar do corpo, da mente, e da alma?
Como podemos buscar a plenitude da experiência humana?
Eu, meu. Egoísmo, e exacerbada individualidade.
Nós, nosso. Reconhecimento da nossa origem única, e intrínseca fraternidade.
Viver é uma singular oportunidade de despertar, de acordar aquilo que se encontra em silêncio, adormecido, inerte.
Como extrair o sublime da vida banal e ordinária? Como captar, nos detalhes corriqueiros da rotina, a respiração e o fluxo vital da existência?
Permanecer desperto para a inestimável oportunidade que esta jornada terrena nos oferece de darmos um passo a mais para além do nosso conhecido, um passo iniciático a nos conduzir para o nosso mistério, a nossa plenitude.
Ser fiel ao mistério. De onde viemos, onde estão nossas raízes familiares, étnicas, nacionais, culturais, espirituais?
Recordar que esta vida terrena é uma aliança entre o relógio & o invisível, entre o palpável & o inominável.
“É o sonho que confere sentido à vida. O sonho é a parte mais decisiva da vida. Somos todos feitos dos materiais dos sonhos pessoais e coletivos.” (Leonardo Boff)
“Ó Filho do Amor! Estás apenas um passo distante das gloriosas alturas do além e da árvore celestial do amor. Que dês esse passo e, com o próximo, avances para o reino imortal...” (Bahá’u’lláh)

3 comentários:

ONG ALERTA disse...

Querida amiga acho que é normal sentirmos este desanimo também ando assim, devagar quase parando....sem vontade de nada!
Viver com este aperto não é fácil, tenho trabalho bastante
Para não pensar muito, enfim um dia por vez,...
Beijo te cuida saudadessss Lisette.

Cidinha disse...

Bom dia amiga! Que tudo esteja bém e permaneça bém com vc. Estou sem palavras diante da grandiosidade de desse texto! Tanto temos para aprender... belissimo Maria!! Na minha pequenes vejo tanta sabedoria e o caminho para que saibamos que não estamos sós e o caminho é o renascimento para Deus. Obrigada pelo carinho em partilhar! Um feliz fim de semana. Que a paz esteja sempre com vc!! Bjos.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Quando a alma tem fome de beleza,
chegar aqui,
sentir as palavras e o seu perfume,
é encontrar o doce alimento da
alegria...
Alimento que me renova as energias,
quando muito já silenciou pelos caminhos...

A amizade é o alimento da esperança.