Páginas

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

FELIZ POR NADA


Benditos os que conseguem se deixar em paz. Os que não se cobram por não terem cumprido suas resoluções, que não se culpam por terem falhado, não se torturam por terem sido contraditórios, não se punem por não terem sido perfeitos. Apenas fazem o melhor que podem. (Martha Medeiros)
Geralmente, quando uma pessoa exclama “Estou tão feliz!”, é porque engatou um novo amor, conseguiu uma promoção, ganhou uma bolsa de estudos, perdeu os quilos que precisava ou algo do tipo. Há sempre um porquê. Eu costumo torcer para que essa felicidade dure um bom tempo, mas sei que as novidades envelhecem e que não é seguro se sentir feliz apenas por atingimento de metas. Muito melhor é ser feliz por nada.
Digamos: feliz porque maio recém começou e temos longos oito meses para fazer de 2010 um ano memorável. Feliz por estar com as dívidas pagas. Feliz porque alguém o elogiou. Feliz porque existe uma perspectiva de viagem daqui a alguns meses. Feliz porque você não magoou ninguém hoje. Feliz porque daqui a pouco será hora de dormir e não há lugar no mundo mais acolhedor do que sua cama.
Esquece. Mesmo sendo motivos prosaicos, isso ainda é ser feliz por muito.
Feliz por nada, nada mesmo?
Talvez passe pela total despreocupação com essa busca. Essa tal de felicidade inferniza. “Faça isso, faça aquilo”. A troco? Quem garante que todos chegam lá pelo mesmo caminho?
Particularmente, gosto de quem tem compromisso com a alegria, que procura relativizar as chatices diárias e se concentrar no que importa pra valer, e assim alivia o seu cotidiano e não atormenta o dos outros. Mas não estando alegre, é possível ser feliz também. Não estando “realizado”, também. Estando triste, felicíssimo igual. Porque felicidade é calma. Consciência. É ter talento para aturar o inevitável, é tirar algum proveito do imprevisto, é ficar debochadamente assombrado consigo próprio: como é que eu me meti nessa, como é que foi acontecer comigo? Pois é, são os efeitos colaterais de se estar vivo.
Benditos os que conseguem se deixar em paz. Os que não se cobram por não terem cumprido suas resoluções, que não se culpam por terem falhado, não se torturam por terem sido contraditórios, não se punem por não terem sido perfeitos. Apenas fazem o melhor que podem.
Se é para ser mestre em alguma coisa, então que sejamos mestres em nos libertar da patrulha do pensamento. De querer se adequar à sociedade e ao mesmo tempo ser livre. Adequação e liberdade simultaneamente? É uma senhora ambição. Demanda a energia de uma usina. Para que se consumir tanto?
A vida não é um questionário de Proust. Você não precisa ter que responder ao mundo quais são suas qualidades, sua cor preferida, seu prato favorito, que bicho seria. Que mania de se autoconhecer. Chega de se autoconhecer. Você é o que é, um imperfeito bem-intencionado e que muda de opinião sem a menor culpa.
Ser feliz por nada talvez seja isso.

Enviado por Roy Lacerda do blog MomentoBrasil (http://momentobrasilcom.blogspot.com/)

13 comentários:

Alma Inquieta disse...

Olá querida amiga!

Que linda reflexão!

Eu também estou muito feliz!

Um beijo enorme e que tenhas um excelente final de semana.

Kelly disse...

Feliz até por que nada aconteceu, feliz pela vida. Beijos

diariodumapsi disse...

Ei querida !
Passando no seu cantinho para te desejar
um ótimo final de semana!
Gd beijo

TRIBUNA-BRASIL.COM (O Indignado) disse...

Maria José, continuas acertando no alvo, ao escolher os temas para pôr no ARCA. Oxala´, tivesse o msm bongosto do Roy ao te enviar estas mensagens. Abraço.

" ESSÊNCIA ESTELAR MAYA " disse...

Olá querida Maria José.
Lendo sua mensagem percebi que não preciso que aconteça nada em especial para me sentir Feliz, estou fazendo do meu dia a dia uma Felicidade constante. E tudo isto se deve ao fato de encontrar mensagens construtivas e positivas em todos os nossos blogs amigos, e de cada mensagem procuro incorporar e praticar diáriamente para me fortalecer, e olha que estou vendo grandes resultados, estou uma pessoa bem diferente de uns 6 meses atrás. Estou muito mais feliz com certeza.
Um beijo enorme!
Lú.

Daniele O disse...

E que assim seja sempre!

analice disse...

ola.. eu estou meia sumidinha...
é uma bela reflexao... como encontrar o descanso interno ou paz interna, quais coisas preciso retirar de mim. Mas estou caminhando e buscando fortalecer a fé, amiga... um abraço fraterno....

Merlaine Garcês disse...

Olá Maria José!
Eu me permito aos erros, fracassos e acima de tudo, me permito a ser e sentir feliz!
Perfeita reflexão!
Bjs *-*

orvalho do ceu disse...

Olá, Maria José querida
Muita paz pra vc!!! Seja feliz e abençoada!!!
Vou responder ao seu desafio na segunda próxima, dia 18, tá?
Passo também para agradecer a sua visita ao meu Blog, ofertar-lhe um selinho feito exclusivamente para meus seguidores pelas 30.000 visitas e dizer-lhe meu muito obrigada pelo carinho e amizade.
Nosso trabalho honesto como blogueiro(a) engrandece o nome do nosso Criador.
Tenha excelente fim de semana!!!
Bjs

Eliane Gonçalves disse...

Que texto lindo!

Digo que esse NADA é na verdade o TUDO!
A felicidade está justamente nestas pequenas coisas do dia-a-dia.

Sejamos felizes sempre!

Bjo grande,

Eliane.

Beatriz Prestes disse...

Minha amiga...que texto sensacional!
Que sejamos felizes com os milhões de possibilidades diárias!
Beijo carinhoso
Bea

Talita disse...

Olá Maria José

Essa busca por felicidade é cansativa para muitas pessoas, já que buscam felicidade em coisas materiais, ou como está no post, a felicidade dura o tempo que a novidade durar.

Eu acredito que a felicidade é um estado de espirito onde reconhecemos quem somos e tudo o que temos em nossa vida, a felicidade se instala quando existe gratidão, quando existe reconhecimento...

Todos nós temos problemas e dificuldades mas acredito que a felicidade também está relacionada com a paz de espirito e com a capacidade e disponibilidade que a pessoa tem em viver e lidar de uma forma mais leve com os momentos dificiceis...

Paz

José Gonçalves disse...

Olá Maria José Rezende,

Depois de um final de semana intenso, dividido entre o Associativismo e a Assistência a Familia, posso dizer-te, sem sobra de dúvidas, que deviriamos estar Felizes apenas pelo simples facto de termos Saúde e estarmos Vivos.

Tudo o resto, é secundário!

Desejo-te uma boa semana.

Um abraço e até sempre,

José Gonçalves
(Guimarães)