Páginas

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

NUDEZ ESSENCIAL



Eu acredito que a maior expressão da intimidade é desnudar a alma. Que, principalmente para isso, há que se ter coragem. Podemos viver uma vida inteirinha sem conseguir perder esse tipo de recato. Desnudar a alma e mostrar para o outro: isso aqui sou eu. Isso aqui também sou eu. E isso e isso e isso. Isso que você não imagina nem em sonho, acredita, sou eu de vez em quando. Isso que nem é confortável admitir porque contradiz, na prática, a minha fala, sou eu. Isso que escapole do meu controle, das minhas estratégias, dos meus planos, do meu discurso. Isso que não acontece no tempo do relógio. Isso que é lugar que está fora de qualquer mapa que alguém possa conseguir para localizar onde estou. Isso que nem sei direito o que é, de tão novo, sou eu. Isso que nem sei mais direito o que é, de tão antigo, sou eu. Isso, lindo à beça, sou eu. Isso, complicadinho assim, sou eu. E mais um monte de coisas que nem posso mostrar porque não conheço ainda e talvez nunca descubra.
Eu acredito que a maior expressão da intimidade é desnudar o que a gente sente. É ser com o sentimento em voz alta. Os corpos, por mais singulares que dadivosamente sejam, são previsíveis; as almas, não. Aí é que entra o amor. Que acolhe. Que abraça. Que quer ver. Que quer ver além das aparências. Amar é sorrir para a nudez essencial do outro com a mesma graça, com a mesma generosidade, com que a gente sorri para a nossa. Com o mesmo afeto. Com a mesma fé. Estamos todos nos despindo, pouco a pouco, nesse strip-tease evolutivo, e sabemos que não é fácil. Há que se ter coragem para ficar nu de alma inteira diante de nossos próprios olhos e, principalmente, diante de outro olhar. Há que se ter coragem para ficar nu, até onde essa nudez nos é possível. Mas, com todo e qualquer embaraço, acho que, no fundo, é essa intimidade genuína que queremos ter cada vez mais com nós mesmos e cada vez mais aprendermos a trocar.
Amar é ver a alma do outro nua e, por tudo o que se vê, apesar de tudo o que se vê, manter o olhar encantado e cuidadoso. O amor não precisa vestir motivos. O amor é nu.

2 comentários:

Maria Teresa Valente disse...

O se desnudar para o outro, exige muita confiança.
Triste, quando nos desnudamos e nos decepcionamos ao perceber, que fomos traídos e as nossas fraquezas estão sendo usadas, de forma distorcida, para nos atingir, como armas mortais.
Morremos, quando nos damos conta, que não fomos seletivas o suficiente, para nos guardar, ao permitir que o mal entrasse pela porta da frente.
Optei por viver de forma transparente, mas isso nos expõe, mina nossas defesas e cria condições de ser manipulada, já que nossas emoções estão sempre aparentes.
É preciso se preservar, criar uma resistência, para observar e só depois deixar entrar no seu mundo, com muito cuidado!
Texto bom para reflexão, do quanto agimos errado.
Obrigada, Maria José, abraços carinhosos
Maria Teresa

Blogger disse...

I have just downloaded iStripper, and now I can watch the sexiest virtual strippers on my taskbar.