Páginas

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

QUANDO DÓI O CORAÇÃO...




Quando dói o coração, todo o corpo dói.
Por que permitimos que as pessoas entrem assim tão dentro da gente a ponto de saírem carregando um pedaço de nós quando partem? Por que nos damos tanto, nos entregamos tanto, nos deixamos tanto em mãos não tão cuidadosas dos nossos sentimentos?
Deveríamos aprender a ficar na margem, olhando de longe a paisagem calma e nos satisfazer dessa visão, como quem se fascina com uma miragem. Mas não nos satisfaz olhar. Humanos que somos, precisamos absolutamente sentir, ao risco de nos afogar... e mergulhamos inteiramente.
E, vida afora, vamos mergulhando em promessas de amor eterno, felicidade infinita e mar de rosas. Não nos questionamos sobre probabilidades de perdas e decepções, pois só de pensar já é doloroso.
Dói... dói... dói e dói!... Mas isso não vai nos impedir de continuar, não vai nos impedir de viver. Pedaços de nós são ainda partes de nós e ninguém disse que precisamos chegar à velhice inteiros e sem marcas.
Isso é vida!!! Não desistir, manter-se de pé, doendo, mas de pé, cabeça erguida na direção do desconhecido e peito cheio de esperança que a próxima vez será diferente.
Grandes artistas obtiveram o melhor das suas obras nos grandes momentos de aflição e dor. Faça o mesmo: Mostre o que de grande há em você tirando partido das suas decepções!
Construa-se!!!
Tenha em mente que não é você que não foi digno daquele amor, mas aquele amor que não foi digno de você. E se faz parte da vida caminhar entre flores e espinhos, não se esquive do caminho.
Caminhe!!!
Amanhã talvez seja diferente. E talvez não. Mas entre as subidas e descidas, você vai ter sobrevivido. E vai ter, sobretudo, vivido.

5 comentários:

Beleza Sem Fim disse...

Ah, o amor, essa raposa.Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu amo + você me ama = dois apaixonados.
Não funciona assim,infelizmente.
O amor só é válido quando é reciproco, o amor precisa de uma junção, precisa de uma entrega de ambas as partes…
Sossega, coração! Não desesperes!
Bjs

Cidinha disse...

Oi, Maria. Boa noite amiga! Lindos sonhos! È tão bom passar por aqui e de alguma forma ver vc presente em cada post, com sua amizade, delicadeza e carinho sempre. Obrigada!!! O texto é perfeito, como tudo que escreve Leticia. Não tem como não doer o coração! Muitas vezes é tão lacerante, que nunca passará. O tempo ameniza e aprendemos com ele! Bjossssssss.

Lassalete Cunha disse...

Este post é tudo o que hoje sinto.
beijos

Rô... disse...

oi minha amiga,

estou mais esperta,
cansei de sobreviver,
hoje escolhi viver e viver feliz...

beijinhos

Guaraciaba Perides disse...

Oi, Maria José...a eterna busca do amor que apara todas as arestas e supera todos os obstáculos...a perfeição entre os homens não existe, mas o amor verdadeiro sem egoísmos sempre vale a pena .
Um abraço