Páginas

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

CONVIVÊNCIA - A ARTE DA FELICIDADE OU DA GUERRA?



Creio que não haja exercício mais difícil nesta vida do que conviver com o outro. Aceitar as diferenças e administrar os conflitos, sem que isso se torne uma guerra trata-se, certamente, de uma charada sagrada.
Sim, porque sem a convivência nos tornamos como que sem propósito. Afinal, embora muitas vezes nos esqueçamos ou prefiramos ignorar esta verdade, o fato é que tudo o que fazemos e somos está a serviço de apenas um objetivo: sermos reconhecidos e amados.
Porém, é também na convivência que reside nosso maior desafio, o mais humano e intrigante aprendizado, o mais intenso conflito a que nos submetemos durante toda nossa existência, do primeiro ao último suspiro!
É quando todos os nossos sentimentos - um a um – ficam aflorados, expostos, escancarados; algumas vezes de forma linda, mágica, encantadora... mas outras vezes, de forma ridiculamente mesquinha, pequena, assombrada.
Se considerarmos que passamos a maior parte de nosso tempo no ambiente de trabalho, haveremos de considerar que são as relações nutridas neste lugar que nos servem como práticas mais recorrentes.
Embora, geralmente, não estejam aí nossos encontros mais caros, é no trabalho que trocamos nosso comportamento por um valor determinado, previamente combinado, estejamos satisfeitos ou não com este montante. Portanto, este pagamento nos induz, muitas vezes, a agir de modo comedido, engessado, como quem cumpre um script sem considerar os verdadeiros sentimentos.
Acontece que não fomos feitos para o fingimento e sim para a autenticidade, seja ela bonita ou não. Assim, mais cedo ou mais tarde, é quem realmente somos que fica em evidência e é a partir daí que encontramos bem-estar ou desespero, alegria ou angústia, prazer ou dor, conciliação ou tormento.
Justamente por isso que acredito piamente ser a gentileza nosso maior trunfo. Obviamente que não falo da gentileza protocolar, mas daquela genuína, capaz de promover a paz nos relacionamentos do cotidiano. Por isso, embora realmente seja difícil praticá-la em algumas ocasiões, penso que é urgente começarmos a ser gentis com aqueles que dividem conosco o ambiente de trabalho e com quem compartilhamos a mesma casa, o mesmo quarto e a mesma cama.
Por quê? Pra que? Até quando? Bem... se ao menos tentarmos e nos abrirmos para sentir os benefícios que a gentileza pode trazer para nossas vidas, tanto do ponto de vista interno, quanto relacional, certamente faremos um esforço.
10 dicas para ser gentil na convivência
1. Tente se colocar no lugar do outro. Tente de verdade, com todo o seu ser. É eficiente demais esse exercício!
2. Aprenda a escutar. Esvazie seus ouvidos para absorver o que o outro está dizendo. Aí pode estar a solução que nem ele ainda foi capaz de enxergar.
3. Pratique a arte da paciência. Julgamentos e ações precipitadas tendem a causar desastres horrorosos.
4. Peça desculpas, especialmente se esta opção lhe parecer difícil demais. Isso pode definitivamente mudar a sua vida!
5. Procure ao menos três qualidades no outro e perceba que esse hábito pode promover verdadeiros milagres.
6. Respeite as pessoas quando elas pensarem e agirem de modo diferente de você. As diferenças são verdadeiras preciosidades para todos.
7. Demonstre interesse pelo outro, por seus sentimentos e por sua realidade de vida.
8. Analise a situação. Deixe a decisão para o dia seguinte, se estiver de cabeça quente. Alcançar soluções pacíficas depende também do seu equilíbrio interno.
9. Faça justiça. Esforce-se não para ganhar, como se as eventuais desavenças fossem jogos ou guerras, mas para que você e as pessoas ao seu redor fiquem bem!
10. Seja gentil. A gentileza nos leva a resultados criativos e produtivos e ainda desvenda a charada da convivência: único meio de nos sentirmos verdadeiramente realizados!

5 comentários:

josenaide coelho disse...

A arte da convivência!
E ainda lutar par ser gentil...
É neh! ninguém sabe do que realmente o outro passa.
Vamos vivendo assim até nos realizarmos.Sonhos grandes não se realizam de imediato!

Rô... disse...

oi minha amiga,

qualquer tipo de convivência,
é uma grande lição de vida,
aprendemos um pouco a cada dia com aqueles que nos rodeiam,
nada fácil,mas muito gratificante...

beijinhos

Guaraciaba Perides disse...

È verdade, para entender o outro precisamos entender e refletir sobre nós mesmos, inclusive educando nossa postura e entendimento.Muito bom texto! obrigada.
uma braço

Bell disse...

oi Ma

Tem gente que consegue usar máscaras em todos os lugares que passa.
Por isso a convivência é difícil.
Há pessoas que não se permitem se aproximar (parecem ter fobia dos outros). E é deixando de lado a convivência que nós tornamos cada vez mais egocêntricos e egoísta.
Para conhecer a necessidade de alguém vc precisa conhece-la (precisa conviver).

Adorei a postagem

bjokas =)

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

MARIA JOSÉ,
"Creio que não haja exercício mais difícil nesta vida do que conviver com o outro. Aceitar as diferenças e administrar os conflitos, sem que isso se torne uma guerra trata-se, certamente, de uma charada sagrada."
ISTO É MAIS DIFICIL, QUE ACHAR AGULHAS EM PALHEIROS, né? Bjs. Roy Lacerda.