Páginas

segunda-feira, 29 de abril de 2013

CARÊNCIA AFETIVA



A carência afetiva é um mal que atinge todas as faixas etárias, culturas e classes sociais. É pior que a gripe, que vem e vai embora, ou uma doença que mata de vez. É um mal que consome as pessoas devagarinho.
A indiferença da sociedade atual face aos problemas do mundo, faz com que as pessoas sintam-se sozinhas e carentes. Preferimos fechar os olhos ao que se passa ao nosso redor (e mesmo fora dele!) do que enfrentar a realidade da vida dos outros, dos seus problemas. Há cada vez mais pessoas solitárias enquanto a população cresce.
As pessoas têm sede de amor. O problema é que raramente querem ser fonte. E nessa engrenagem há muita gente infeliz. Então, corre-se de um lado para o outro, alguns tentam achar compensação a nível profissional, outros em religiões, crenças e seitas.
A internet também faz parte desse mundo. Fecha-se aqui, procura-se amores, amizades e certezas de que alguma coisa ainda existe capaz de compensar a falta de afeto. E enganam-se. Enganam-se os outros e a si mesmo.
Quando Jesus andou na terra, tenho certeza que não precisava de nada. Ele era auto-suficiente. Apesar disso, viveu tudo: Ele andou, trabalhou, se entristeceu, chorou, sentiu fome, angústia, dor, morreu e ressurgiu. E vivendo tudo isso, amou. Amou até o fim, até pedir perdão para os que o crucificaram. E tudo o que Ele viveu, foi para nos mostrar o exemplo. De nada serviria se Ele tivesse pregado e não vivido as próprias palavras. Como nós. Mais que falar, precisamos viver.
O dia que as pessoas compreenderem que a solução está dentro delas mesmas, então o mundo terá uma chance de sair desse caos. Se você quer ser amado, ame! Quer receber um sorriso? Sorria! Quer receber e-mails? Mande! Quer carinho? Dê ternura até não aguentar mais. Quer atenção? Seja atencioso!
Talvez não funcione imediatamente. É um remédio que precisa de um tempo para começar a fazer efeito. Mas, quando você estiver curado interiormente, vai ser outra pessoa, de maneira tal que será impossível não receber de volta a felicidade que espalhou. Temos a mania de querer comprar tudo. Mas, muitas coisas da vida precisamos plantar, cuidar e colher com nossas próprias mãos. Nem tudo se vende e se compra e afeto faz parte dessas raras coisas.
Não amamos a Deus por que Ele nos amou primeiro? Então, vivamos de maneira que possamos ser os primeiros a dar afeto, amor, atenção. Sejamos os antídotos do ódio e da indiferença. Tudo o que virá após, será compensação. Estaremos contribuindo assim para uma sociedade mais humana, mais justa e mais equilibrada.

8 comentários:

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Esa carencia afectiva que tanto se da en nuestros días y que sumerge en la depresión.
Muy buen Post.

Wanderley Elian Lima disse...

Só temos amigos à medida que somos amigo, dessa forma ninguém se sentirá solitário.
Bjux

Crista disse...

A vida é uma via de duas mãos:DAR e RECEBER e vice-versa!
Finalmente consegui comentar algo,agora estou feliz!!!!!
Beijão "deu"(de mim)pra tu...

Cidinha disse...

Oi, Maria. Boa noite! Belo texto amiga.È de uma realidade tão presente nos dias de hoje, essa carência afetiva. Jesus nos mostrou o caminho, que possamos dar o primeiro passo da solidariedade, da amizade do amor. Muito obrigada por partilhar! Agradeço também a sempre gentil e carinhosa visita. Te quero muito bém! Bjos e boa semana.

Sandra Portugal disse...

Reciprocidade! Carinho, amizade! Tudo o que recebo no mundo dos blogs!
Passei por aqui para dizer que a partir de 01/05 venha sempre me visitar no novo endereço, e não se esqueça de mim, ok?
E peço-lhe o favor de linkar o novo endereço do Site no lugar da chamada ao Blog, na barra lateral do seu Blog.
Sandra
www.projetandopessoas.com.br

Mel disse...

adorei!!

Rô... disse...

oi minha amiga,

no tempo dos meus pais,nunca se ouviu falar em carência afetiva,
será que é mais um mal do nosso tempo?
mas acredito que tudo que oferecemos nos retorna em dobro,
a regrinha é distribuir...

beijinhos

Mie Ke disse...

A todos àqueles que necessitam de auxílio com a “carencia” e/ou “dependência afetiva”, enviem email para: evergreen127@lycos.com
Se você quer conversar, se você sente sozinho ou sozinha, se você pensa que ninguém gosta de você, se sente que está sendo traído ou traída e quem ninguém te dá o merecido valor, por favor me escreva. Quero ajuda-lo ou ajuda-la a sair desse pesadelo, criar novas amizades, enxergar as coisas de outra forma, acordar para a vida e vive-la de fato. Sair dessa prisão. Compartilhem suas experiências, suas dores, seus medos, exponham o que sentem e pensam. Juntos podemos progredir e viver plenamente.

Um abraço à todos,

Mike e Ke