Páginas

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

O AMOR NÃO MORRE



O amor não morre. Ele se cansa muitas vezes. Ele se refugia em algum recanto da alma tentando se esconder do tédio que mata os relacionamentos.
Não é preciso confundir fadiga com desamor. O amor ama. Quem ama, ama sempre. O que desaparece é a musicalidade do sentimento. A causa? O cotidiano, o fazer as mesmas coisas, o fato de não haver mais mistérios, de não haver mais como surpreender o outro. São as mesmices: mesmos carinhos, mesmas palavras, mesmas horas... o outro já sabe!
Falta magia. Falta o inesperado.
O fato de não se ter mais nada a conquistar mostra o fim do caminho. Nada mais a fazer. Muitas pessoas se acomodam e tentam se concentrar em outras coisas, atividades que muitas vezes não têm nada a ver com relacionamentos. Outras procuram aventuras. Elas querem, a todo custo, se redescobrir vivas; querem reencontrar o que julgam perdido: o prazer da paixão, o susto do coração batendo apressado diante de alguém, o sono perdido em sonhos intermináveis e desejos infindos.
Não é possível uma vida sem amor. Ou com amor adormecido.
Se você ama alguém, desperte o amor que dorme! Vez ou outra, faça algo extraordinário. Faça loucuras, compre flores, ofereça um jantar, ponha um novo perfume...
Não permita que o amor durma enquanto você está acordado sem saber o que fazer da vida. Reconquiste! Acredite: reconquistar é uma tarefa muito mais árdua do que conquistar, pois vai exigir um esforço muito maior. Mas... sabe de uma coisa? Vale a pena! Vale muito a pena!

4 comentários:

José María Souza Costa disse...

Vim cá, lê o seu blogue. Eu, tenho um. Muito simples, sem cores e sem nuances. Estou lhe convidando a visitar-me, e se possível, Seguirmos juntos por eles. Estarei lhe esperando lá, afinal o que importa é a Amizade que fazemos e as publicações que expomos.
Eu te Convido a vir aqui.

www.josemariacosta.com

Julio Cesar disse...

Olá, fiquei preocupado ao ler as duas primeiras partes do post. Porque nãoé próprio do amor ou de quem ama. E fica claro isso com o início do segundo paragrafo: "Não há mais nada para conquistar(...)"! nossa! E a resposta para isso vem logo a seguir: que muitas pessoas se acomodam e buscam outra atividade...alguns 'até aventuras'!
O 'Amor' é em si uma aventura. Ama quem é destemido. E amar é todo dia conquistar porque amor é movimento e não é estanque...engessado. Amor é plástico e assim deve ser.
O Amor é fazer-se...primeiro para si mesmo, segundo, ao outro. Quem ama ao outro quer o melhor para o outro...então, seja o melhor.
O Amor é extraordinário. Quem vive e não se amofina no ostracismo de certo faz coisas diferentes dentro da rotina inerente a condição de vida de qualquer ser humano da sociedade moderna.
De fato, reconquistar é uma arte... arte própria de quem ama...e de quem está pronto para ser amado.
Uma coisa não resta dúvida... realmente vale a pena.

Cidinha disse...

Bom dia Maria! Belissimo texto de Leticia. O amor é tudo!! Um ótimo dia. Saudades!! Beijos.

Fernando Santos (Chana) disse...

O homem não morre quando deixa de viver, mas sim quando deixa de amar
(Charles Chaplin)
Cumprimentos