Páginas

domingo, 25 de março de 2012

AMOR A SI MESMO



A síntese proposta por Jesus, em torno do amor, é das mais belas psicoterapias que se conhece: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.
Ante a impossibilidade de o homem amar a Deus em plenitude, já que tem dificuldade em conceber o absoluto, realiza o mister, invertendo a ordem do ensinamento,amando-se de início, a fim de desenvolver as aptidões que lhe dormem em latência.
Esforçando-se para adquirir valores iluminativos a cada momento, cresce na direção do amor ao próximo, decorrência natural do autoamor, já que o outro é extensão dele mesmo.
Então, finalmente conquista o amor a Deus, em uma transcendência incomparável, na qual o amor predomina em todas as emoções e é o responsável por todos os atos.
O Espírito Joanna de Ângelis, através da mediunidade de Divaldo Franco, apresenta a necessidade primeira de autoamor, como alavanca fundamental para a conquista de todas as esferas desse sentimento supremo.
Mas, de que forma amar a si mesmo?
O como a si mesmo, da proposta de Jesus, é um imperativo que não deve ser confundido com o egoísmo, ou o egocentrismo.
Amar a si mesmo significa respeito e direito à vida, à felicidade que o indivíduo tem e merece.
Trata-se de um amor preservador da paz, do culto aos hábitos sadios e dos cuidados morais, espirituais e intelectuais para consigo mesmo.
É sempre estar fazendo as melhores escolhas para si mesmo, vendo-se como Espírito imortal, sem nunca deixar de respeitar, obviamente, o bem comum.
Quando escolho amar mais minha família, dedicando-me inteiramente aos relacionamentos, cultivando a paciência e a tolerância, estou amando a mim mesmo.
Quando escolho perdoar e deixar de levar comigo o peso de uma mágoa, estou amando a mim mesmo.
Quando escolho aprender, buscando aprimoramento intelectual nas áreas do conhecimento de meu interesse, estou me autoamando.
Quando me aceito como sou e vejo em minhas imperfeições situações temporárias - uma vez que me esforço para corrigir meus erros - estou amando a mim mesmo.
Quando me dedico, diariamente, ao exame de consciência, à meditação, ao autoconhecimento, estou dando provas de amor a mim mesmo.
São exemplos de atitudes, de pensamentos e sentimentos que elevam nossa autoestima - que é este julgamento que fazemos de nós mesmos - e nos empurram sempre para frente, para a felicidade.
O autoamor proporciona uma visão mais clara de quem se é, do que se deseja e do que não se deseja para si.
É através dele que estabelecemos metas para nossa existência: metas educacionais, familiares, sociais, artísticas, econômicas e espirituais, pensando em nós não apenas agora, mas nos cuidados para com o futuro.
Somos todos importantes. Criaturas únicas no Universo que buscam a felicidade através do aprender a amar: a si, ao outro e a Deus.
Ame a você mesmo... Enquanto é hoje.
Redação do Momento Espírita, com base no cap. 13, do livro Amor, imbatível amor, de Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal. Do site:
http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=3232&stat=0
Enviado por Jorge do blog Nectan Reflexões e foi aqui postado, por ser pertinente à proposta do Arca.

7 comentários:

Luís Coelho disse...

Jesus fala claro.
Nós complicamos as coisas mais simples:
- Amar a Deus sobre todas as coisas
- Amar ao nosso próximo.

Cidinha disse...

Bom dia, amiga. Obrigada pelo belo post! Nada melhor do que amar a si mesmo dentro de todos esses principios. Divaldo Franco sabe como nos expressar isso. È um grande alento para começar a semana! Bjos. Estava com saudades!

Verinha disse...

BELO,BELA.O amor é a fonte mais sublime.Abraços de luz.

Rô... disse...

oi Maria,

o que considero mais importante é que quando amamos a nós mesmos,
começamos a perceber as partes em nós que não gostamos,e a partir daí,
tentamos melhoras e mudanças que só nos fazem crescer...

beijinhos,minha amiga

Meire Oliveira disse...

Maria querida, e só aprendemos a amar direito quando nos amamos verdadeiramente. Temos que nos valorizar e nos respeitar, ganhar valor e respeito de outras pessoas é consequência de um verdadeiro amor próprio.

Linda semana pra ti, bjos de luz e carinho.

Expedito Gonçalves Dias disse...

Amar o próximo como a nós mesmos! É profundo, muito mais do que conseguimos enxergar! Talvez não morreríamos por alguém, mas para sobrevivermos fazemos tudo....
É preciso meditarmos um pouco mais sobre isso.
Um grande abraço!

Rita disse...

Quando temos amor em nossa vida
conseguimos amar de verdade um
belo texto.
Abraços de um bom final de tarde
Bjuss com carinho Rita!!!