Páginas

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

A CADA DIA UM APRENDIZADO



Quando através de um sofrimento conseguimos extrair um aprendizado, podemos dizer que foi proveitoso ter passado por ele.
Choramos quando perdemos alguém tão querido. Choramos pelo vazio que esse alguém deixa quando não está mais presente fisicamente na nossa vida.
Quantas perdas, quantos vazios, quantas lembranças!
Num momento, tudo perde o sentido...
Esvaem-se nossas energias, nossa alegria, nosso sentido de viver...
E nos perguntamos o porquê de tudo, da vida e da morte?
Por mais que saibamos que é assim, que sempre foi e sempre será, toda vez parece uma surpresa que a vida está nos pregando uma peça, surpreendendo-nos com algo novo e desavisado.
Como podemos aceitar algo que nos é tirado de repente?
A vida a todo momento nos mostra o desapego na flor que desabrocha e depois vai perdendo sua beleza, seu vigor e seu perfume, até caírem suas pétalas na terra.
Nas folhas que caem misturam-se à terra transformando-se em adubo para outras plantas e árvores encerrando um ciclo e começando outro, mostrando a todo instante o que já sabemos, que a vida é um ir e vir...
Que estamos aqui de passagem, num aprendizado na ESCOLA DA VIDA e muitas vezes não conseguimos sair do estudo primário...
Tudo nos é dado e tirado.
O que será que temos que aprender?
Aprendizado extraído desse momento de reflexão: viver cada momento o mais consciente possível!
Agradecer cada momento da vida que nos é permitido viver. Valorizar cada coisa que tocamos, que vemos e que sentimos. Fazer de cada dia algo novo e renovador.
Saber que a vida nos empresta os “brinquedos”, não para passarmos o tempo brincando e depois chorando quando eles nos forem retirados, mas para aprendermos com eles, tirando os ensinamentos necessários para passarmos para uma nova fase, a uma outra dimensão de vida.
Prestar a atenção se não estamos sendo levados pela vida igual a uma folha morta levada pela água do rio, encalhando às vezes em qualquer obstáculo que encontrar pela frente.
Nada nos pertence, nada é permanente, a não ser o espírito.
O que fica?
A essência, o que aprendemos e transmitimos como exemplo de aprendizagem.
Procuramos ser verdadeiros canais da presença divina.
Viver a vida é viver o amor, a gratidão e a presença consciente que nos une a Deus.
Que as palavras possam ser sentidas em sua essência e tornarem-se vida por todos nós.

13 comentários:

Bloguinho da Zizi disse...

Todos nós precisamos de um conforto, pois todos sofremos perdas, ninguém escapa desse aprendizado.
É como as águas do mar, que chegam na praia e de repente voltam mar adentro.
É a vida Maria José! Um tanto doída...

beijinhos

Gislene disse...

Amiga,

Fica a certeza de que a vida é maravilhosa.
Com suas dores e amores.
E que ainda é longa a nossa caminhada.
Mas, temos a certeza de que Deus está ali, a nos amparar a todo instante. Seja através de uma palavra amiga, de um sorriso, de um abraço.
E viver é o maior presente que Ele nos deu.

Um beijo!

josenaide disse...

Poderia ser mais fácil a gente ter que se conformar com tudo que há de se perder,mais também viver só do presente também não é tão garantido assim e as vezes faz bem lembrarmos de diversas épocas e etapas.Parece que vivemos eternamente como num jogo de perde e ganha a toda hora,você não acha?
bj! e boa noite estrelado para ti...

Maria Adeladia disse...

Maria José, a vida é realmente cheia de surpresas. Essas surpresas ou boas ou ruins, tornam a vida desafiadora.

Mesmo com tantas dores, existem momentos bons, e sim, termos a consciência que ela é passageira.
Por isso que é bom não perdemos tempo com coisas insignificantes.

Que possamos fazer da vida a nossa dança presente.

O importante é sermos felizes.

Beijos e obrigada pelo comentário do video do meu sobrinho. A cada dia te admiro.

Fica com Deus sempre!

Denise disse...

Não nos apegarmos aos bens materiais é sabedoria. Darmos importância às verdadeiras aquisições: aprendizado, amizades, desenvolvimento de nossas virtudes, amor. Aí está o segredo do bem viver. Muita paz!

Meire Oliveira disse...

Maria, minha doce amiga, de tudo nessa vida podemos tirar lições, das coisas mínimas até as grandes como os sofrimentos e espinhos pelos quais temos que passar. E são essas lições que vamos levar na nossa alminha.

super beijokita recheada de amor e carinho nas suas bochechas :)

Rô... disse...

oi minha amiga,

os momentos difíceis é que
são nossos professores,
nessa escola da vida...
e saber ouvir para aprender,
é um segredo imenso...

beijinhos

Cidinha disse...

Olá Maria... Linda reflexção. Mesmo com tantas perdas e decepções vale a pena viver.Aprendemos com a dor e com amor! Obrigada amiga pela partilha. Bjos e ótimos dias.

AugustoCrowley disse...

Fico sem saber o dizer em certos textos lidos aqui, pois eles dispensam palavras, apenas requer que façamos uma boa reflexão.Beijos!

Fernando Santos (Chana) disse...

Bela reflexão...Espectacular....
Cumprimentos

marlene disse...

minha querida amiga maria que saudades de voce !!!
que mensagem linda devemos valorizar nosso aprendizado abençoando a todos os acontecimentos bons e aos que julgamos maus em nossa vida porque
o que julgamos não merecer de ruim é
o que as vezes vem para nossa evolução e crescimento espiritual
agradeçamos pois as bençãos do trabalho e do sofrimento que nos burila o espirito um grande abraço
marlene

Kika disse...

Adorei seu blog...

O achei por acaso e resolvi deixar minha marquinha.
Fiz o meu recentemente, dá uma olhadinha lá, se gostar deixa uma marquinha tbm.

Espero retribuição.

Agradeço.

Se gostar mesmo me segue.

grata

Eu seu Lar

ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS disse...

O PRIMEIRO CONTATO
Certa vez, na ânsia de concluir um trabalho escolar, cercado de publicações dos mais variados autores e temas, e sem saber por onde começar despertei-me com um clique da minha esferográfica.
Eis que, como um “Deja Vu”, deparei-me com um antigo livro de contos em péssimas condições. O papel amarelado pelo tempo, perfurado por traças, empoeirado e suas páginas mal cheirosas.

A tinta usada em sua impressão ainda mantinha um bom contraste, o que o tornava legível.

Então, no volver furtivo e detalhado de cada página, eu descobri algo novo: textos envolventes com assuntos, embora de séculos atrás, tão atuais e familiares que passavam não só a mim, mas a quem quer que os lesse (leiam) uma profunda intimidade com o autor.

Agora eu já podia empunhar aquela, cujo clique não mais soava irritante, mas frugal.

Tudo era simples, evidente e claro. Eu não precisava mais daquela pilha de publicações, pois tudo estava ali, em cada cor, som, ou lembrança. Daquela ponta esferográfica, as palavras fluíram com naturalidade e deitavam em cada pauta com a suavidade de uma pétala que pousava sobre a relva.

Eu compunha com mais idéias, indeterminado, mais livre. Não havia motivo para se preocupar com “Lapsus Linguae”... Sim era minha primeira crônica. Agora eu sabia que poderia escrever sobre qualquer coisa.

*Cassius Barra Mansa é cronista machadense

Lapus Linguae = erros de linguagem
ATRAÇÃO DOS MOLEKES

(pagode com malícia mineira)

Influenciados pelo, Exalta Samba, Revelação, o grupo se apresentou pela primeira vez em 2006 na Praça Antônio Carlos (Machado-MG), durante as comemorações do 7 de setembro.. No mesmo mês, eles abriram o show do Face Racial no salão da Dismabe, evento organizado pelo DJ Brown. O próximo passo será a gravação do primeiro CD com 12 músicas, entre elas (É hora de curti) Contatos: João ou Diogo (35) 3295-4031 (Machado-MG).

Blog: http://atracaodosmolekes.blogspot.com/