Páginas

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O SONHO



Esta noite, eu tive um sonho diferente. Sonhei que estava em um grande bosque e caminhava por uma pradaria verde sem fim. Cada passo que eu dava encontrava uma árvore enorme com um retrato de uma pessoa que já havia passado pela minha vida.
No início foi difícil lembrar de alguns rostos. Eram pessoas que haviam participado da minha infância e eu não tinha notícias há muitos anos.
Porém, como num velho filme, as imagens iam passando diante dos meus olhos conforme eu me aproximava de cada árvore.
Fui percebendo que conforme eu avançava, as pessoas iam mudando de acordo com a minha idade.
Era uma “exposição do meu passado”, onde cada árvore representava uma etapa da minha vida.
Confesso que foi delicioso recordar a emoção do meu primeiro amor naquela árvore onde havia a foto da minha primeira namorada.
Lembrei-me da inocência e da pureza daquele amor que eu tremi tanto para conquistar.
Fui andando, quase que empurrado por mão invisível, e percebi que já estava ficando adulto.
As árvores já não eram tão verdes...
O tempo já não era tão ensolarado...
Mas, mesmo assim tive prazer de relembrar alguns bons momentos como as formaturas, os amigos do colégio, professores, a faculdade, o casamento...
Na árvore do primeiro filho, eu chorei de emoção, recordando a alegria de trazer a vida.
Mas, na próxima fileira de árvores li a inscrição: “Aqueles que partiram.”
E uma árvore atrás da outra trazia retratos dos meus entes queridos que faleceram deixando um buraco enorme na minha vida.
Amigos, amigas, tias, tios, avós, uma recordação ligeira de cada um.
Um toque no mais profundo sentimento do meu ser, que me arrancou lágrimas emocionadas.
Logo depois, deparei-me com um lamaçal horroroso!
Meus pés afundavam em lama fétida e barrenta...
Ali, só havia árvores secas e, para minha surpresa, retratos das pessoas que eu tinha ferido ou magoado por algum motivo. Retratos que eu não tinha coragem de encarar os olhos.
Algumas, eram pessoas que haviam me ferido profundamente. Pessoas que me enganaram, e no meu entendimento, haviam me traído.
Nem raiva, nem ódio, nem nada, só vergonha eu sentia.
Como reparar essas árvores?
Como fazê-las renascer?
Como acabar com aquelas mágoas?
Para aquelas que eu julgava que me fizeram mal, eu poderia perdoá-las ali mesmo de todo o meu coração...
Mas, e aquelas que me queriam mal?
A resposta estava logo abaixo de cada retrato: “Aqui está uma árvore seca na sua história! Para fazê-la renascer é preciso: o adubo do perdão... a vitamina do amor... a energia da alegria... o sol da sinceridade... o húmus da misericórdia! Portanto, dobre os joelhos e ore pedindo ao Criador de Tudo para trazer nova vida a essa árvore.”
Entendi então que, para florescer a árvore da vida, precisamos retirar os galhos podres da nossa visão mesquinha e fazer amigos por onde passarmos.
Se alguém ficar magoado com nossas atitudes, ou nos magoarmos com quem quer que seja, o perdão é a única solução, e para aprender a perdoar, a oração é o caminho seguro que nos conduz a Jesus que pode nos conceder este dom!
Caminhe em paz neste dia por entre as “árvores” da sua vida.

9 comentários:

duendes disse...

Ola minha querida ,como sempre um prazer vir aqui ler tao lindas poesias .Deixo muitos beijinhos e o desejo de uma linda semana .Si cuida muito ok.

Bloguinho da Zizi disse...

Maria José
Nem tem o que dizer.
Simplesmente lindo.
Grata
Beijinhos

Carlos Varoli disse...

Olá amiga Maria José. Que linda matéria. Benditas sejam todas as “arvores” de nossa vida física.

Cada uma é uma experiência amais de aprendizado e para conseguir chegar ao perdão quando criamos desafeto é necessário entendimento e humildade com muito amor fraterno.

Felicidades, amiga,

Carlos espírita

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

MARIA JOSÉ:

" “Aqui está uma árvore seca na sua história! Para fazê-la renascer é preciso: o adubo do perdão... a vitamina do amor... a energia da alegria... o sol da sinceridade... o húmus da misericórdia! Portanto, dobre os joelhos e ore pedindo ao Criador de Tudo para trazer nova vida a essa árvore.”
Entendi então que, para florescer a árvore da vida, precisamos retirar os galhos podres da nossa visão mesquinha e fazer amigos por onde passarmos".
Aplicando os ensinamentos acima, começamos, amor, a fazer nossa reforma íntima. Bjs. Roy Lacerda.

Cidinha disse...

Olá amiga Maria. Que encanto! Adorei também a imagem, me senti lá. Que nossas àvores sejam sempre produtivas: De amor, perdão, de alegria. Bjos com carinho!!

Como as Cerejas da Minha Janela... disse...

Entrarei no bosque, encontrarei minhas árvores, e vou cuidar para que renasçam e floresçam na minha alma, no meu espírito...

Emocinante...
Obrigada pelo lindo e doce momento, Maria...

Beijos com carinho
Liz

Como as Cerejas da Minha Janela... disse...

Maria, entrei no blog do Momento Brasil e tive o enorme prazer de conhecer o Roy. Uma pessoa inteligente, que escreve com muita saber e, principalmente, com a alma e o coração. Ele chegou a me emocionar. Há muito tempo eu não falo mais em política e nem leio nada. Fui militante política e idealista na minha mocidade. As decepções foram enormes. Mas tive muito prazer de ler o Roy. Passei o endereço do blog para o meu marido, que pensa muito parecido com ele e poderão trocar idéias.

Beijos com carinho
Liz

Marie disse...

Maria, parabens pelo dom dos lindos textos, fiquei encantada, muito bonito! Quem não sonha estar em uma linda planície vasta e aberta contemplando a Natureza?
Boa 5ª pra vc! Abraços!!!

Luna Sanchez disse...

Que bonita lição, que tocante a mensagem.

Vou refletir sobre as árvores da minha vida, estou precisando reavaliar algumas coisas.

Obrigada por isso, Maria.

Um beijo.