Páginas

terça-feira, 8 de novembro de 2011

O PESO QUE A GENTE LEVA



O perigo da viagem mora nas malas. Elas podem nos impedir de apreciar a beleza que nos espera.
Experimento na carne a verdade das palavras, mas não aprendo.
Minhas malas são sempre superiores às minhas necessidades.
É por isso que minhas partidas e chegadas são mais penosas do que deveriam.
Ando pensando sobre as malas que levamos...
Elas são expressões dos nossos medos.
Elas representam nossas inseguranças.
Olho para o viajante com suas imensas bagagens e fico curioso para saber o que há dentro das estruturas etiquetadas.
Tudo o que ele leva está diretamente ligado ao medo de necessitar.
Roupas diversas; de frio, de calor – o clima pode mudar a qualquer momento!
Remédios, segredos, livros, chinelos, guarda-chuva – e se chover?
Cremes, sabonetes, ferro elétrico – isso mesmo! Microondas? – Comunique-me, por favor, se alguém já ousou levar.
O fato é que elas representam nossas inseguranças.
Digo por mim. Sempre que saio de casa levo comigo a pretensão de deslocar o meu mundo. Tenho medo do que vou enfrentar.
Quero fazer caber no pequeno espaço a totalidade dos meus significados. As justificativas são racionais.
Correspondem às regras do bom senso, preocupações naturais para quem não gosta de viver privações.
Nós nos justificamos. Posso precisar disso, posso precisar daquilo...
Olho ao meu redor e descubro que as coisas que quero levar não podem ser levadas.
Excedem aos tamanhos permitidos. Já imaginou chegar ao aeroporto carregando o colchão para ser despachado?
As perguntas são muitas... E se eu tiver vontade de ouvir aquela música? E o filme que costumo ver de vez em quando, como se fosse a primeira vez?
Desisto. Jogo o que posso no espaço delimitado para minha partida e vou.
Vez em quando me recordo de alguma coisa esquecida, ou então, inevitavelmente concluo que mais da metade do que levei não me serviu pra nada.
É nessa hora que descubro que partir é experiência inevitável de sofrer ausências.
E nisso mora o encanto da viagem.
Viajar é descobrir o mundo que não temos.
É o tempo de sofrer a ausência que nos ajuda a mensurar o valor do mundo que nos pertence.
E então descobrimos o motivo que levou o poeta cantar: “Bom é partir. Bom mesmo é poder voltar!”
Ele tinha razão. A partida nos abre os olhos para o que deixamos.
A distância nos permite mensurar os espaços deixados.
Por isso, partidas e chegadas são instrumentos que nos indicam quem somos, o que amamos e o que é essencial para que a gente continue sendo.
Ao ver o mundo que não é meu, eu me reencontro com desejo de amar ainda mais o meu território.
É conseqüência natural que faz o coração querer voltar ao ponto inicial, ao lugar onde tudo começou.
É como se a voz identificasse a raiz do gripo, o elemento primeiro.
Vida e viagens seguem as mesmas regras. Os excessos nos pesam e nos retiram a vontade de viver.
Por isso é tão necessário partir. Sair na direção das realidades que nos ausentam.
Lugares e pessoas que não pertencem ao contexto de nossas lamúrias... Hospitais, asilos, internatos...
Ver o sofrimento de perto, tocar na ferida que não dói na nossa carne, mas que de alguma maneira pode nos humanizar.
Andar na direção do outro é também fazer uma viagem.
Mas na leve muita coisa. Não tenha medo das ausências que sentirá.
Ao adentrar o território alheio, quem sabe assim os seus olhos se abram para enxergar de um jeito novo o território que é seu.
Não leve os seus pesos. Eles não lhe permitirão encontrar o outro.
Viaje leve, leve, bem leve.
Mas se leve.
Enviado por Carlos Varoli do Blog
Carlos Espírita e foi aqui postado por ser pertinente à proposta do Arca.

12 comentários:

Ninguém envolvente disse...

Nossa, muito bom esse texto, acho que muitas pessoas incluindo eu, se identificam muito nisso tudo. E sou capaz de levar um microondas recheado de tralhas dentro, sempre queremos levar tudo que podemos, incluindo infelizmente nossos medos e ansiedades.

josenaide coelho disse...

Lindo texto! bem afiado e
muito verdadeiro....Boa noite
pessoa querida do meu core!
Vou guardar esse texto
como sempre guardo as
coisas que você escreve...Bj!

josenaide coelho disse...

Não me canso de ver
tudo que você blogar!

josenaide coelho4 disse...

Sabia que eu saio
juntado peças
daqui,da li e um
dia vou te mostrar
o grande quebra-
cabeça que um dia
você me ensinou a
montar....kkkkkk.
EU.

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

MARIA JOSÈ:

"As malas são expressões dos nossos medos.
Elas representam nossas inseguranças".
Os parágrafos acima, encerram uma verdade verdadeira. Há pessoas que carregam malas desnecessarias, não é, amor? Bjs. Roy Lacerda.

Feminina e Vaidosa disse...

hehehe
adorei o texto.
Confesso que já tive malas mais pesadas, agora carrego até coisas de menos. Sempre falta roupa no fim.
beijosss

Giovanna disse...

Belo texto, é o que reflete em cada viajante, é preciso desprender certos hábitos, tipo ah... se quiser isso ou aquilo... quando viajamos muito, aprendemos muitas coisas básicas, sabemos até o que carregar... eu viajo bastante, principalmente a trabalho, mas aprendi a levar o básico, se pensar no necessário, acabamos levando muitas malas e se torna desnecessário, mas sempre volto com bagagem, porque gosto de encontrar novidades.

Um lindo dia pra ti
Abraços
Giovanna

AugustoCrowley disse...

Depois de um sonho onde fiz uma viagem astral, esse post realmente me pareceu muito interessante!

Marie disse...

Aff, que texto, parabens! Eu levo apenas o necessario, as vezes ate falta. O Momento Brasil arrasou no comentario.Boa semana amada, fica com Deus e obrigada pelas visitinhas e elogios!!
Fica com Deus!
http://cmari.blogspot.com/

Pelos caminhos da vida. disse...

Excelente post amiga...

Bom dia!

beijooo.

Verinha disse...

Olá Maria José!
É.. realmente se formos analisar bem, qta coisa inútil carregamos e por vezes até nos trazem um peso imenso.. é importante de tempos em tempos fazermos uma verdadeira varredura em nossa vida.. com certeza nossa jornada será mais leve!

Beijão imenso em seu coração e obrigada de coração por sempre estar comigo em meus cantinhos!

Verinha

Como as Cerejas da Minha Janela... disse...

O melhor mesmo é viajar sem mala, leve e livre, sem culpas e medos.

Beijos com carinho
Liz