Páginas

quinta-feira, 28 de julho de 2011

ESTAMOS OBCECADOS COM O MELHOR



Estamos obcecados com "o melhor".
Não sei quando foi que começou essa mania, mas hoje só queremos saber do "melhor".
Tem que ser o melhor computador, o melhor carro, o melhor emprego, a melhor dieta, a melhor operadora de celular, o melhor tênis, o melhor vinho.
Bom não basta.
O ideal é ter o top de linha, aquele que deixa os outros pra trás e que nos distingue, nos faz sentir importantes, porque, afinal, estamos com "o melhor".
Isso até que outro "melhor" apareça e é uma questão de dias ou de horas até isso acontecer.
Novas marcas surgem a todo instante.
Novas possibilidades também. E o que era melhor, de repente, nos parece superado, modesto, aquém do que podemos ter.
O que acontece, quando só queremos o melhor, é que passamos a viver inquietos, numa espécie de insatisfação permanente, num eterno desassossego.
Não desfrutamos do que temos ou conquistamos, porque estamos de olho no que falta conquistar ou ter.
Cada comercial na TV nos convence de que merecemos ter mais do que temos.
Cada artigo que lemos nos faz imaginar que os outros (ah, os outros...) estão vivendo melhor, comprando melhor, amando melhor, ganhando melhores salários.
Aí a gente não relaxa, porque tem que correr atrás, de preferência com o melhor tênis.
Não que a gente deva se acomodar ou se contentar sempre com menos.
Mas o menos, às vezes, é mais do que suficiente.
Se não dirijo a 140, preciso realmente de um carro com tanta potência?
Se gosto do que faço no meu trabalho, tenho que subir na empresa e assumir o cargo de chefia que vai me matar de estresse porque é o melhor cargo da empresa?
E aquela TV de não sei quantas polegadas que acabou com o espaço do meu quarto?
O restaurante onde sinto saudades da comida de casa e vou porque tem o "melhor chef"?
Aquele xampu que usei durante anos tem que ser aposentado porque agora existe um melhor e dez vezes mais caro?
O cabeleireiro do meu bairro tem mesmo que ser trocado pelo "melhor cabeleireiro"?
Tenho pensado no quanto essa busca permanente do melhor tem nos deixados ansiosos e nos impedido de desfrutar o "bom" que já temos.
A casa que é pequena, mas nos acolhe.
O emprego que não paga tão bem, mas nos enche de alegria.
A TV que está velha, mas nunca deu defeito.
O homem que tem defeitos (como nós), mas nos faz mais felizes do que os homens "perfeitos".
As férias que não vão ser na Europa, porque o dinheiro não deu, mas vai me dar a chance de estar perto de quem amo.
O rosto que já não é jovem, mas carrega as marcas das histórias que me constituem.
O corpo que já não é mais jovem, mas está vivo e sente prazer.
Será que a gente precisa mesmo de mais do que isso?
Ou será que isso já é o melhor e na busca do "melhor" a gente nem percebeu?
"Sofremos demais pelo pouco que nos falta e alegramo-nos pouco pelo muito que temos. " (Shakespeare)

11 comentários:

Sandra Portugal disse...

Sábias palavras!!!!
Esse melhor sempre, está nos consumindo!
Venho agradecer todo o apoio que você tem dado à comemoração de 1 ano do blog! bj Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

Luís Coelho disse...

É verdade que todos nos preocupamos em ter o melhor com se isso fosse a nossa felicidade.

O mundo seria melhor se nos preocupássemos em ser bons e que todos fossem melhores hoje do que ontem.

Meire disse...

Lindo texto Maria querida, ficamos tão preocupados com o "ter" que esquecemos de olhar em volta tantas coisas boas e lindas que já temos.

bjokitas com master carinho pra vc :)

Gilmara Wolkartt disse...

Vivemos numa concorrência onde as pessoas vivem buscando preencher suas carências querendo ser o melhor e ter o melhor! Por causa disso perde o melhor da vida, as coisas simples do viver!
Ótimo post!
Gd beijo

Kátia e Marcelo disse...

Querida Maria José,
Foi uma grata satisfação ter conhecido seu espaço de amor e luz.
Com a massificação da Mídia, acabamos fazendo e adquirindo coisas sem perceber. Às vezes não damos valor a algo que temos, até percebermos que o perdemos.
Cada vez que abrimos mão de algo que desejamos em favor de algo mais valioso em termos espirituais ou de relacionamentos, acabamos nos tornando pessoas mais fortes e felizes.
Se canalizássemos as nossas energias apenas para o que é produtivo, em vez de esbanjá-las com aquilo sobre o qual nada podemos fazer no momento, seríamos mais felizes no presente, sem nos preocuparmos em adquirir ou acumular coisas que no futuro vamos perceber que não tinham valia alguma!
Nossa estadia neste mundo é breve, todos sabem disso, apesar de alguns negarem a si mesmos que seu dia final também chegará. Podemos desperdiçar totalmente o tempo que nos foi concedido, perseguindo miragens ou metas inatingíveis; ou podemos estar satisfeitos com o que temos e sermos gratos à Deus pelo que nos tem dado.
Se você me permitir, gostaria de adicionar o link do “arca” na área de “Indicados” em meu blog, apesar dos temas serem diferentes, acredito que muitos que me acompanham gostariam de conhecer o material que você disponibiliza aqui.
Bjs.
Kátia

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

MARIA JOSÉ:

A ânsia das pessoas em mostrar sempre que tb pode possuir o melhor em tudo, leva a essa competição desenfreada. O homem deixou de lado o valor do "SER", optando pelo "TER". Ou seja: total inversão de valores, amor. Bjs. Roy Lacerda.

Sheila - Blog "Passarinhos no Telhado" disse...

É verdade!

Adorei o teu blog Maria! Estou seguindo!
E com todo o carinho, te convido para conhecer o meu:

http://passarinhosnotelhado.blogspot.com/

Te deixo sorrisos...bjs!
Sheila

cidinha disse...

Olá,amiga. São grandes verdades! E raros que contentam com pouco. Sempre se quer mais!Bjs.

Makavetis disse...

I found you through Leovi, great page! I started my own art blog as well, about the greatest works, come check it out ;)

♫*Isa Mar disse...

Oi amiga querida, realmente muitos ainda vivem nessa energia, do consumismo desenfreado.
É bom ter conforto, mas sem o exagero não é mesmo?
Beijos e bom fim de semana pra ti!

ValériaC disse...

Belo texto e alerta...realmente é lamentável quando alguém desperdiça a vida correndo atrás de ilusões e satisfações de ego e não consegue "saborear" de verdade as pequenas e tão lindas sutilezas da vida...
Bom final de semana querida...beijos
Valéria