Páginas

quarta-feira, 21 de abril de 2010

BEM ME QUER, MAL ME QUER


Pior, muito pior que ter certezas dolorosas, é ter incertezas. Quando sabemos, pelo menos fica decidido, dói, a gente chora, finge que se esquece, diz que não aceita e acaba por aprender a conviver com a verdade.
O ciúme é um sentimento pernicioso que não destrói somente uma relação, mas as partes envolvidas. Ele cria feridas tão profundas que podem nos marcar (e o outro) para toda a vida.
O ciumento costuma dizer: “eu tenho ciúme porque te amo”, quando na realidade deveria ser mais honesto dizendo: “tenho ciúme porque acho que você me pertence.”
Ora, ninguém pertence a ninguém!!! As pessoas doam-se por amor e continuam elas mesmas. Escolhem voluntariamente estar juntos e continuam a ter o direito de respirar sozinhas e se assim não for, melhor que cada qual fique do seu lado.
Se o relacionamento é uma brincadeira de bem me quer, mal me quer, te amo apaixonadamente ou não te amo, então ele não vale a pena.
É insano querer fechar o ser amado num quarto sem portas e janelas, impedi-lo de ter amigos e de poder apreciar a vida como se deve ser.
Nada pior para uma relação do que a incerteza do amor do outro, mas ainda o julgar de tudo o que ele faz, com quem anda, para onde olha... o querer saber a todo custo os pensamentos que passam pela sua cabeça e as emoções que atravessam seu coração.
O amor não é uma prisão, mas um campo aberto ao sol e às flores. É a brisa suave do fim do dia e o sereno da madrugada. É um dar as mãos voluntário.
Ter alguém que desconfia todo o tempo de tudo o que fazemos é humilhante. É como se não fôssemos capazes de andar sozinhos e escolher livremente por onde andamos ou com quem estamos. Conviver com pessoas assim é altamente destrutivo.
As pessoas são ciumentas porque não se sentem amadas, ou não têm certeza que são amadas o bastante para que o outro fique com elas por escolha livre.
Elas acham que não são merecedoras do amor e por isso precisam aprisioná-lo.
Essas pessoas precisam, antes de tudo, conhecer a razão de tanta insegurança, curar-se desse mal, desenvolver um bom relacionamento de si para si e só depois poderão abrir-se ao mundo.
Elas deverão amar-se e, por conseqüência, achar natural que o amor venha a elas, não porque ela criou-lhe amarras, mas porque ele descobriu um lugar seguro para morar e para onde, de onde ele estiver e por onde andar, vai querer voltar.

14 comentários:

Glória Müller disse...

Maria José, como vai?! Eu achei este depoimento honesto e muito correto! Agora eu não vou poder me alongar muito no comentário, mas eu volto.

Beijos
Glória

Janetinha disse...

O ciúme corrói os relacionamentos.
Bom final de feriado.
Beijos.

Eliana Pessoa disse...

TENHO 25 ANOS DE CASADA SOMOS BEM DIFERENTES MEU MARIDO E EU ,MAS NUNCA HOUVE CIÚME OU DESCONFIANÇA GRAÇAS A DEUS POIS ACHO QUE Ñ SABERIA LIDAR COM ISSO!
ACHO DEPRIMENTE O CIÚME!!!
(Está muito bonita nessa nova foto do perfíl!!)
BJIM

Pelos caminhos da vida. disse...

MOMENTO DE AGRADECIMENTO.

É muito gratificante cada vez que abro a página do meu espaço e encontro meus amigos por aqui.
Cada visita, cada comentário, mesmo que seja um simples OI me dá uma satisfação grande em continuar abri-la diariamente.
Vocês enriquecem meus dias.
Me esforço a cada dia para somar emoções com vocês, e as vezes nem respondo à altura.
A quase dois anos de blog, cresci muito, aprendi muito, devo isso a todos vocês meus amigos e seguidores.
Não importa o sexo, religião, valores e sim a dedicação diária em comentarem no blog.
Tenho um respeito enorme por vocês.
Obrigado por vocês existirem.
Obrigado a todos vocês amigos e seguidores que votaram no meu blog. Se ele chegou até aqui devo tudo isso a vocês.
Obrigado por vocês caminharem junto comigo "Pelos Caminhos da Vida".
Vamos aguardar a próxima votação.

Ana.

Fique com Deus.

beijooo.

Sônia Silvino disse...

Amiga!
Acho que tudo que é demais, não é saudável. Em relação aos ciúmes, um pouquinho acho normal... Mas em exagero demonstra insegurança, neuroses etc. Saber dosar é que são elas!!!
Bjkas, muitas!

Silvia disse...

Muito boa reflexão, Maria José. Acredito que ninguém pode querer ser dono de outra pessoa. Os relacionamentos devem ser como areia na palmada mão: se apertarmos muito, ela escorre pelos dedos. O ideal é sempre equilibrar, para que haja liberdade com responsabilidade.
Abraço

Glória Müller disse...

Não, ciúme doentio... nem pensar! Há de haver um ciúme gostoso, de quem quer cuidar do outro, de quem se importa com o seu amor. Mas infernizá-lo, é o mesmo que sufocar este amor. Mata-se o respeito e a individualidade deste amor.

Beijinhos, Maria José!
Glória

Mariana disse...

Tudo em excesso é prejudicial.
E a incerteza é dolorida e cruel, sempre será.
adoro as postagens de reflexão encontradas aqui.

Pr. André Ribeiro disse...

oi, obrigado pelo comentario, não foi nada de mais, foi apenas um momento de pensamento frustante.

cantinho she disse...

Queridaaaaaa só agora vi o seu comment na minha blogagem coletiva com a cor vermelha, pôxa, obrigada pelas palavras, que lindo!
Beijoooooooooooooooooooooo

Marcia disse...

Oi Maria,
o ciúme em excesso é a falta de confianca em si próprio. Desgasta qualquer relacionamento.
Fico feliz sempre que você me visita, obrigada!
Beijos.

Uman disse...

Maria José,

mais do que corroer um relacionamento, o sofrimento do ciumento é extremamente dolorosa pois carrega em si a falta de auto-confiança, que por causa disse, transfere aos outros o fardo da sua segurança. Isso é muito triste e lamentável.

Anjo, um beijo, de coração,
Jorge

alegria de viver disse...

Olá querida
O ciume é um sentimento do mal o oposto, da confiança, só tem ciume quem não confia em si mesmo. Uma doença da mente. Deve tratar.
Com muito carinho BJS.

josenaide coelho disse...

ciumes é para quem nao confia no ser amadoe viver aprisionado é terrivel, já passei por isso e ainda passo constatemente,essa palavra me sufoca,quem ama confia e pra k ciumes..morriiiii