Páginas

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

O LADRÃO E O CÃO DE GUARDA


Um ladrão veio à noite para assaltar uma casa. Ele trouxe consigo vários pedaços de carne, para que pudesse acalmar um feroz Cão de Guarda que vigiava o local. A carne serviria para distraí-lo, de modo que não chamasse a atenção do seu dono com latidos.
Assim que o ladrão jogou os pedaços de carne aos pés do cão, disse-lhe então o animal: - “Se você
estava querendo calar minha boca, cometeu um grande erro. Tão inesperada gentileza vinda de suas mãos, apenas serviram para me deixar ainda mais atento. Sei que por trás dessa cortesia sem motivo, você deve ter algum interesse oculto, de modo a beneficiar a si mesmo e prejudicar o meu dono”.

Moral da História: Gentilezas inesperadas é a principal característica de alguém com más, ou segundas intenções.

7 comentários:

Maria disse...

Como sempre sábias palavras, e bonitas histórias para reflectirmos...

Desejos de um bom dia

:)) Doce Carinho

Lice Soares disse...

Muito bom.
Gostei muito do teu espaço.Tens um estilo que muito me agrada.Parabéns
E obrigada pela tua presença no meu espaço.
Um grande abraço e seja sempre bem vinda.

Paulo Tamburro disse...

MARIA JOSÉ, aqui aplicasse a máxima popular de que , pobre quando vê muita esmola desconfia.

As donas de casa, ou aqueles que fazem compras em supermecados que desconfiem daquele queijo, por exemplo, que tanto gostam e que nornalmente é vendido pelo dobro do preço naquela inesperada "promoção".

Confira o prazo de validade, pode estar vencendo naquele dia , se é que já não venceu.

Não são só com os queijos, que isto acontece , não, em alguns casamentos, também!

No namoro troca infinitas de juras de amor e galanteios, no noivado um verdadeiro oceano de rosas, tantas rosas que não caberiam, nem em todos os oceanos juntos.

Caixas de bombons, toneladas de nhá-benta, litros de perfumes,uma verdadeira enxurrada de mimos e gentilezas.

Então, alguns anos depois do casamento, o lar vira um verdadeiro ninho de cobra.

Aí a culpa é dele , não, é dela, não, é dos dois,enfim isto me lembra aquela estória daquele rato muito inteligente que sempre colocava a culpa... no queijo.

Se é que me fiz entender!

Maria José disse...

Paulo. Os seus comentários são diferentes, inteligentes e me fazem sorrir. As comparações que faz são inesperadas. Você deve ser uma pessoa diferente, do tipo que se destaca da maioria. Tenho essa impressão. Grande abraço.

Maria José disse...

Obrigada Lice por suas palavras e pode ter a certeza de que também gostei de sua tenda. Beijos.

Maria José disse...

Obrigada, Maria e uma doce semana para você. Beijos.

Fabiano Mayrink disse...

Vim aqui agradecer por estar me seguindo,

e pude ver o quanto seu blog tem a nos oferecer, adorei os ensinamentos de vida em força de contos, ainda mais usando os animais como principais, um enorme abraços!

esta gostei em especial, grande verdade...