Páginas

terça-feira, 19 de agosto de 2014

PAZ




Paz é um estado conquistado a partir do bom uso que fazemos do livre arbítrio e, especialmente, pela quantidade e qualidade de amor que conseguimos manifestar por nós mesmos.
Temos uma tendência natural de buscar, no mundo e nas pessoas, sentimentos que não nos damos.
Tudo é o outro, tudo está fora, porque temos que ser aceitos, porque temos que ser aprovados, porque os outros precisam reconhecer nossos méritos e qualidades.
E o que ocorre? Desilusões! Os outros nunca poderão nos dar na medida do que precisamos ou desejamos, porque apesar de sermos semelhantes perante a criação, somos individualidades.
Enquanto não aprendermos a lidar com essa individualidade, a paz será um sonho distante.
Nada o que o mundo possa lhe dar, preencherá seus vazios, se você não estiver bem consigo mesmo. Isso inclui aceitação, autoestima, comunhão com a alma, equilíbrio entre razão e emoção, ausência de vitimismo, consciência de todos os desequilíbrios ou defeitos, aprendendo a lidar com eles de maneira lúcida, sem culpa.
Perceba que quando você faz coisas que lhe motivam, pelas quais você se interessa, surge aquela sensação gostosa de plenitude.
Baseados nas expectativas do mundo sobre nós, nos alienamos dos nossos reais desejos e nos perdemos: nos tornamos máquinas de fazer. Consequentemente, nos perdemos da vida, perdemos todas as possibilidades de realização e surgem os bloqueios.
O que é paz, então?
É romper com os padrões, romper com as expectativas das pessoas sobre nós, romper com o lado em nós que nos pune e nos julga e declarar: paz!
Significa olhar a vida com amor e gratidão, compreendendo que toda experiência traz uma possibilidade de crescimento e realização.
Volte-se para dentro, escute mais seu coração, liberte-se das fantasias de sua mente racional, busque a compreensão dos mecanismos que regem a vida, partindo do princípio que a realidade da nossa vida é sempre o reflexo dos nossos pensamentos e crenças!
Você dá mais valor ao bem ou ao mal das coisas? Sob que ótica você vê o mundo?

3 comentários:

Rô... disse...

oi minha amiga,

belíssima escolha,
eu decidi ver o mundo com bons olhos,
me faz muito mais feliz...

beijinhos

VITORNANI disse...

Está difícil encarar a realidade do mundo violento no qual estamos inseridos.
Temos o livre arbítrio de escolher o bem, mas parece que muitos povos ainda ignoram essa opção divina!
Bjo.

Sei lá disse...

"(...) partindo do princípio que a realidade da nossa vida é sempre o reflexo dos nossos pensamentos e crenças!"

Também achei isso durante muito tempo. Mas, um dia apercebi-me de que, na verdade, a minha vida é fruto dos caminhos que me obrigaram a seguir. Pelas mais variadas razões, encontrei sempre mecanismos limitadores do que eu queria, pensava, achava justo e bom. Sempre encontrei barreiras. A minha vida é o resultado da habilidade que tive para contornar essas barreiras.

http://fali-vendo-me.blogspot.com