Páginas

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

AUTOCONSCIÊNCIA




Uma das etapas mais marcantes do desenvolvimento infantil é a fase da percepção da autoconsciência corporal.

A auto-referência consciente, a consciência dos movimentos do corpo, – a criança se percebe como sujeito, e não mais como uma extensão da mãe que a gerou.

A percepção do Eu corporal, o reconhecimento de si e dos movimentos e sensações do seu corpo, movido por quereres e vontades.

Para a criança pequenina a percepção e o domínio dos movimentos corporais são motivo de comemoração e alegria.

Ela ainda terá um longo caminho pela frente até que consiga se equilibrar e andar, mas cada conquista é motivo de alegria e encantamento.

São apenas os primeiros movimentos de uma longa caminhada que, assim como todas as demais crianças, haverá de empreender. Os primeiros movimentos, mas nem por isso menos importantes.

Quantas vezes haverá de cair e se levantar até adquirir o equilíbrio necessário para empreender sua jornada, sua caminhada, pelo mundo?

Se refrescará em rios de água cristalina? Passeará por praias, deleitando-se com a vista do mar infinito?

Estes pés pequeninos, que por ora esboçam os primeiros movimentos, haverão de embelezar a vida com passos da nobre arte da dança? Um livro aberto, um mar de possibilidades é a vida terrena. O rio da existência corre fluente, enquanto passeamos por este mundo tão belo.

Quantas gerações vieram e se foram antes da nossa? Se banharam no mar do tempo por um breve intervalo, e partiram, tal qual nós partiremos.

As nuvens e as pessoas passam; o céu e o mar continuam. Da mesma forma como a autoconsciência corporal possibilita à criança pequenina trilhar sua jornada pelos caminhos do mundo,.é preciso cultivar a autoconsciência espiritual, de modo que a nossa jornada existencial seja banhada de sabor e sentido, e venha a nos conduzir à plenitude da experiência terrena.

“O verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar inteligente sobre nós mesmos”, diziam os povos antigos.

O verdadeiro dia de nascimento talvez seja aquele em que manifestamos pela primeira vez a autoconsciência espiritual.

Como usar o tempo a nosso favor? Como fortalecer as nossas asas espirituais?

Cuidar dos olhos e do olhar, cuidar do coração, do sentir e do pensar. “Bem-aventurados os que buscam com mãos puras”, “Bem-aventurados os que buscam a Luz”, “Bem-aventurados os puros de coração”, ensinou-nos o amado Mestre.

“Tua vista te é por Mim confiada; não permitas que o pó dos desejos vãos lhe anuvie o brilho.” “Teu coração é Meu tesouro; não permitas que a mão traiçoeira do ego te roube as pérolas que nele entesourei”, nos aconselham as Escrituras.

“Ó Amigo! No jardim de teu coração, nada plantes salvo a rosa do amor...” Bahá’u’lláh

3 comentários:

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Maria José
O equilíbrio nos é concedido pelos sucessivos tombos e levantes...
Bjm festivo de paz e bem

Claudia disse...

Tudo de bom passar por aqui....e ainda finalizar um texto lindo, tudo de bom! beijos e boa noite!

Rô... disse...

oi minha amiga,

como é bom passar por aqui,
sempre aprendo muito nessa arca amorosa...

beijinhos