Páginas

domingo, 19 de agosto de 2012

UM INSTANTE SOBRE A SAUDADE



Só quando ganhamos noção do tempo, tomamos consciência do que significa 'nunca mais'.
A saudade é um fio tecido nas horas, nos dias, nos anos, matéria fina e imprecisa do tempo.
Pode acontecer assim que a porta se fecha ou muitos anos depois, quando velhas fotografias escapam das gavetas com personagens que não estão mais aqui, mas nunca saíram de nossas vidas.
A saudade é um sopro da memória, imagem de crianças brincando, afetos se derretendo em ternuras, velhos ao redor do fogo.
Meu pensamento às vezes visita um longínquo jogo de bola, o formato de um bolo, a vergonha de usar um vestido de alças, o dedo que se prendeu na porta quando nossas dores eram apenas físicas.
Só depois conhecemos as dores da alma, o contato com a angústia quando deciframos o significado do que se sente e que não vem de nenhum corte que se cura com band-aid.
Não me disseram que não haveria cura para o que fica sem resposta, para o impacto das notícias ruins, para as perdas que não se resgatam.
Durante muito tempo, achava que tudo era reversível como se nenhuma sensação durasse mais do que o instante em que as coisas acontecem.
Só quando ganhamos noção do tempo, tomamos consciência do que significa “nunca mais”, “adeus”, “não se esqueça de mim” e outras expressões que servem de sinal ou de consolo para coisas que não se repetem, como fotogramas que ficam para trás substituídos por outras imagens.
A sucessão de acontecimentos em nossas vidas obedece a uma ordem imprecisa, estamos aqui hoje, podemos não estar amanhã, não há lógica no vácuo, nas ausências que acontecem de repente como um botão arrancado onde haveria flor, brisa e movimento.
Se hoje volto ao assunto das minhas sensações mais íntimas, não é por tristeza ou um acontecimento súbito. Nem sequer estou triste, apenas afio o meu olhar, a visão em 360 graus, recapitulando um mar de emoções, de cheias e refluxos, de felicidades e sustos, de tensões e relaxamentos, de surpresas e esperas. De fluxos.
A saudade neste instante é minha musa. O espelho retrovisor mostrando um disco na vitrola, uma sessão de cinema, um amigo fazendo música, um beijo trocado, um amor e sempre alguns rostos que se distinguem na multidão como se a mente fizesse um zoom.
O pensamento é o único mecanismo que nos faz voltar ao tempo, mas nunca às mesmas horas, aos mesmos dias, aos mesmos anos, porque a sucessão das coisas é a inexorável passagem que nos leva adiante, deixando para trás aquilo que se perdeu.
Por isso hoje, quando reviro os fotogramas da memória, considero que há um filme pela metade, mas ainda sem desfecho, uma história que pode ser escrita enquanto houver tempo, tinta, sangue e espaços em branco.
E haveria muito mais a dizer, mas a rota circular do tempo não permite que se demore em fatos perdidos, páginas viradas, leite derramado sobre o tapete mágico da existência.
Alguma coisa me diz: Não se demore sobre o passado, sobre as perdas e ganhos. Apenas puxe o fio da memória como quem visita a sua casa interior, abrindo salas, quartos, varandas onde a mobília afetiva permanece com a imaterialidade própria do amor e das ternuras que dão origem à saudade.
Este sentimento condensado numa língua única e que significa o “banzo” de cada um de nós, exilados do que vivemos como passageiros sem bilhete de volta.
Marcela, minha filha, hoje você estaria fazendo 29 anos de idade. De presente te ofereço meu eterno amor. Te amo para sempre. Mamãe.

5 comentários:

Amara Mourige disse...

Olá Maria José, desculpe minha ausência nos comentário,mas só estou entrando no pc sexta-feira e aos domingo.
Amiga, a pior saudade é aquela que sentimos de alguém que está bem ao nosso lado.
Uma semaninha de luz.
Bjs
Amara

sonia disse...

Maria José,

Hoje sua filhinha estaria fazendo 29 anos, mas um dia, no futuro voces estarão renascendo uma para outra.

Acredito nisso. Beijos.

anjo meu... disse...

Oi Maria Jóse...

A dor da saudade ela insiste em permanecer né,seria tão bom se fosse tudo tão diferente,mas o comando das nossas vidas não está em nossas mãos e sendo assim que consigamos fazer o melhor do tempo que aqui temos para conosco e sei que nossos filhos plantaram amor e a colheita lhes é certa...
DEUS nos dá sua mão ELE não nos deixa cair,mas vai com toda certeza depender de cada um onde quer permanecer.Tendo dificuldades ou até mesmo duvidando de mim mesma,ainda assim procuro lutar com o invisível.
Lindo seu post,assim como todos...
Uma semana repleta de muita luz pra você!!!

anjo meu... disse...

Oi Maria Jóse...

A dor da saudade ela insiste em permanecer né,seria tão bom se fosse tudo tão diferente,mas o comando das nossas vidas não está em nossas mãos e sendo assim que consigamos fazer o melhor do tempo que aqui temos para conosco e sei que nossos filhos plantaram amor e a colheita lhes é certa...
DEUS nos dá sua mão ELE não nos deixa cair,mas vai com toda certeza depender de cada um onde quer permanecer.Tendo dificuldades ou até mesmo duvidando de mim mesma,ainda assim procuro lutar com o invisível.
Lindo seu post,assim como todos...
Uma semana repleta de muita luz pra você!!!

Leandro Ruiz disse...

Maria José, há coisas que o tempo não cura e nem faz esquecer. Mesmo com o passar dos anos, com novas experiência há lembranças que serão vivas eternamente...

Fique na paz e no conforto de nosso Senhor...

Paz e bem!Abraço!

Leandro Ruiz