Páginas

sexta-feira, 2 de março de 2012

ANJOS NA VIELA



Uma história verdadeira. 
Diane, uma jovem estudante universitária cristã, estava em casa naquele verão. Foi visitar alguns amigos nesse noite e a conversa animada um pouco mais longa do que planejara, fez com que as horas avançassem noite adentro e se fez muito tarde para retornar caminhando sozinha até sua casa. Mas não tinha medo, porque morava numa cidadezinha pequena e tranquila a poucos quarteirões dali.
Enquanto caminhava até sua casa, pediu a Deus que a mantivesse a salvo de qualquer mal ou perigo. Quando chegou a uma viela que utilizava como atalho para chegar mais rápido até sua casa, resolveu ir por ali.
Quando estava na metade da ruazinha, notou um homem parado no final dela e parecia que a estava esperando.
Diane ficou nervosa e começou a rezar pedindo proteção a Deus. Neste instante, um sentimento de tranquilidade e segurança a envolveram, sentiu como se alguém estivesse caminhando junto dela, chegou ao final da viela e foi caminhando justamente na direção onde o homem se encontrava, mas nada aconteceu chegando bem na sua casa.
No dia seguinte leu no jornal, que uma moça havia sido estuprada naquela mesma viela, uns 20 minutos depois que ela passara por ali.
Sentindo-se mal por essa tragédia e pensando que poderia ter sido com ela, começou a chorar dando Graças a Deus por tê-la cuidado e lhe rogou que ajudasse a outra jovem. Decidiu então ir à delegacia de polícia, acreditando que poderia reconhecer o homem e lhes contou sua historia.
O delegado lhe preguntou se estaria disposta a identificar o homem que havía visto na noite anterior naquela viela. Prontamente acedeu e sem duvidar reconheceu o homem em questão. Quando o homem soube que tinha sido identificado, rendeu-se e confessou.
O Delegado de polícia agradeceu a Diane pela sua valentia e lhe preguntou se havia algo que pudesse fazer por ela, então pediu que perguntassem ao homem, porque não havia atacado-a, quando passou pela mesma viela. Quando o Delegado perguntou ao homem, ele respondeu: "Porque ela não estava sozinha, haviam dois homens altos caminhando um de cada lado"
Moral da historia?
Não subestimes o poder de uma oração.
Dá calafrios não é?
Enviado por Roy Lacerda do blog
MomentoBrasil e foi aqui postado, por ser pertinente à proposta do Arca.

7 comentários:

Rô... disse...

oi minha amiga,

faço minhas orações todos os dias...
e sei que muitas mas muitas vezes,
elas me protegeram de todos os perigos...
eu creio!!!

beijinhos

O Profeta disse...

Há sempre alguém no encontro destas palavras
Há sempre um encontro no desfazer do labirinto
Há sempre alguém que se veste de contradição
Há sempre alguém que engole o sim para dizer não

E há o amor
Dito em palavras que da alma escapam
Há um infinito sentir que tão poucas vezes acontece
Há tanta verdade em umas…Mãos que Tocam…

Doce beijo

alegria de viver disse...

Querida amiga

Quem está com Deus sempre sente sua luz.

Um lindo fim de semana.

Com alegria BJS.

Cidinha disse...

Olá, Maria. Lindo texto! È preciso pedir e acreditar nas orações. Pois não estamos sózinho... Tem anjos olhando por nós! Bjos carinhosos e bom fim de semana.

Multiolhares disse...

Sem duvida que a oração tem muito poder, quando nos polarizamos com as energias Divinas a nossa vida fica mais leve
bjs

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

A fé quando vinda
de corações bons,
transformam o medo
em esperança.

Muito bonita a história
e sua preciosa mensagem.


Desejo que a alegria
faça folia em sua vida.

Astroterapia Junguiana disse...

Nossa que elogio maravilhoso deixaste no meu blog. Obrigada, agradeço imensamente. Passamos por um fato na vida muito difícil, e acho que eu e vc acreditamos que não estamos sozinhas. Esse post é para refletirmos sobre esse assunto tão profundo. Bjs Cynthia