Páginas

sexta-feira, 15 de julho de 2011

VOCÊ ESCOLHE OU É ESCOLHIDO?




Que a vida é feita de escolhas, não resta dúvida. Escolhemos a todo o momento, seja consciente ou inconscientemente. Inclusive, até a decisão, também consciente ou não, de não escolher, é uma escolha. E algumas vezes, uma das mais perigosas!
Acontece que, por falta de autoconhecimento ou até mesmo por medo de descobrir que o momento é de espera e de não saber lidar com a ansiedade que esta expectativa provoca, muitas pessoas se deixam escolher e depois simplesmente se lamentam pelas consequências, como se nada pudessem ter feito.
Quando se trata de relacionamentos amorosos, a preferência por se deixar escolher é mais frequente do que imaginamos. Talvez seja a razão por que tantas pessoas se dão conta, depois de algum tempo, do quanto poderiam ter evitado algumas catástrofes emocionais, se tivessem sido mais imperativos no momento da escolha, se tivessem dado ouvidos à sua intuição ou aos sinais que a vida mandou... Porque ela sempre manda!
Sim, é verdade que existe um dito popular avisando que "quem muito escolhe acaba escolhido". Entretanto, o lembrete serve para nos alertar sobre o excesso de críticas, o orgulho exagerado ou a análise que paralisa, que impede a tomada de decisão.
Ou seja, o ideal é aprender a calibrar o coração para que não haja nem negligência no ato de decidir se é hora de exercitar o amor ou de esperar, nem um medo sem sentido de tentar de novo. Pessoas carentes demais, que aceitam qualquer relacionamento para aplacar seu pavor de ficar só e ter de encarar a si mesmo e suas limitações, certamente, vão terminar e começar relações sem se questionarem qual o aprendizado, qual o amadurecimento para um futuro encontro que seja mais satisfatório e harmonioso.
Por outro lado, pessoas críticas demais, orgulhosas demais ou que morrem de medo de se entregar a uma relação e vir a sofrer, também pagarão um preço alto, muitas vezes amargando a solidão e se privando da alegria e do privilégio de vivenciar o amor.
Minha sugestão é para que você, em primeiro lugar, tenha muito claro para si o que realmente deseja viver quando o assunto é amor. O que tem para oferecer? Quanto se sente preparado para lidar com as dificuldades que vêm à tona num relacionamento, sejam elas ciúme, insegurança, falta de auto estima, ausência do outro, diferenças de ritmo, etc.? Quanto já aprimorou sua habilidade de se comunicar, de falar sobre o que sente, o que quer e, principalmente, de ouvir o outro e tentar uma conciliação sempre que necessário?
Depois, com um mínimo de autoconhecimento, sugiro que você se questione e reflita sobre sua noção de merecimento e crenças. Quanto você realmente acredita que merece viver um amor baseado na confiança, na lealdade e na intensidade? Quanto você realmente acredita que possa existir um amor assim? Pode apostar: se você não acredita nesta possibilidade, dificilmente vai viver uma relação que valha a pena, simplesmente porque esta opção não faz parte do seu universo, do seu campo de visão.
E, por último, mais do que ansioso ou distraído, mantenha-se tranquilo e seguro de que o amor acontecerá no momento certo. Nem antes e nem depois. Não é preciso que você busque desesperadamente. Apenas viva a partir do que existe de melhor em você e permaneça presente, atento ao que acontece ao seu redor. E todo o universo estará conspirando a seu favor, porque, afinal de contas, nascemos para amar e sermos amados.


Texto enviado por Roy Lacerda do blog
MomentoBrasil e foi aqui postado por ser pertinente à proposta do Arca.

10 comentários:

♫*Isa Mar disse...

Oi amiga de alma, realmente esse é um assunto bastante delicado.
A maioria dos relacionamentos é baseado no buscar apoio, no ter companhia e á por isso que tantos sofrem.
Tem que se estar muito preparado para ter uma relação e só quando estamos muito bem conosco mesmos é que pode dar certo.
A carência, a falta de auto estima, o ciúme e a cobrança são inimigos que detonam qualquer relação.
Beijos e ótimo fim de semana!

Rô... disse...

oi minha amiga,

perfeito,
para encararmos um relacionamento,
temos que nos sentir prontos em todos os aspectos,
e ter consciência de tudo que nos espera,
as cobranças e as correntes,
tem que ser esquecidas definitivamente...

beijinhos

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

MARIA JOSÉ:
" Todo o universo estará conspirando A NOSSO favor, porque, afinal de contas, nascemos para amar e sermos amados", não é msm, amor? Bjs. Roy Lacerda.

15 de julho de 2011 19:27

Vitor disse...

De uma coisa tenho como certa..."escolhido"por um impulso para aqui me quedar neste encatado cantinho,onde tão bem se fala de amor e partilha!

Beijo

cidinha disse...

Oi, Amiga Maria! Tudo parece tão simples. Más ao mesmo tempo não é! Maravilhosa é a entrega! Ao mesmo tempo vem a insegurança, o medo da perda e as vezes não há troca na busca de apoio e fidelidade. Nos machuca muito!Más mesmo com tanto sacrificio vale apena amar. Não só uma pessoa, más todas! Obrigada querida pelo carinho! Estive ausente más já estou de volta.Bjs e lindo fim de semana! Obrigada pelo selinho.

Meire disse...

Maria querida do mio core, a verdade é que na hora de escolher temos que ter aquela palavrinha chave "equilíbrio", não podemos aceitar qualquer coisa e nem escolher demais como o próprio texto fala.
Acredito que ansiedade é inimiga na questão de relacionamento, pois muitas vezes não estamos preparados para ele e insistimos no mesmo erro, nos autosabotamos e acabamos tendo um relacionamento após o outro que acaba igual!
Temos que viver bem e quando estivermos prontos, quando tiver que acontecer, vai acontecer!
"afinal de contas, nascemos para amar e sermos amados."

Adorei o texto!!!
Que seu fim de semana seja tudo de bom, bjokitas com master carinho ;)

Senhor da Vida disse...

Super real esse post, concordo plenamente.A base de tudo é o equilibrio entre razão e emoção.
Sentir apenas não basta , é preciso saber valorizar , proteger o sentimento, para evitar as armadilhas. Grande beijo!

mery disse...

Oi, psicóloga, vim te visitar, pois vi um comentário teu no blog do Roy Lacerda...amei esse texto, é tudo que eu queria ler, pois tenho medo de sofrer, e medo de me entregar; quando amo acabo me afastando, por medo da desilusão.
Obrigada por postar "O Universo conspira a favor", é verdade...
Vou seguir teu blog, sou Mery do Rio de Janeiro/ beijos

marlene disse...

minha querida MARIA belo texto profundo e verdadeiro,
passei para agradecer sua gentil visita e desejar um bom final de semana um abraço com muito carinho marlene

Graça Pereira disse...

Depende...Ás vezes somos escolhidos (as) e a empatia e o amor desenvolve-se de tal modo que acabamos por ter um relacionamento feliz (Aconteceu comigo)
Outras vezes...escolhe-se mas, diz o povo quem muito escolhe pouco acerta!Como sempre, achei um texto sábio!
Um beijo e bom fds
Graça