Páginas

sexta-feira, 1 de julho de 2011

A ÁRVORE GENEROSA


A gratidão é uma rara virtude. É comum as pessoas guardarem mágoas por muitos anos de coisas desagradáveis que vivenciaram. Mas se esquecem, com rapidez, das dádivas que lhes foram ofertadas, ao longo da vida. Isso nos recorda de uma história simples e fantasiosa, que chegou a ser tema de um filme de curta-metragem, chamado “A árvore generosa”.
É a história de uma árvore que se apaixona por um garoto. Moleque, ele se balançava nos seus galhos. Colocou um balanço e imaginava voar, balançando-se sempre mais alto, mais alto. Subia nela, até o topo, para ver à distância, imaginando que a árvore era um navio e ele estava em alto mar, à busca de terras a serem descobertas. Na temporada das frutas, ele se servia das maçãs, deliciando-se com elas. Cansado, dormia à sua sombra. Eram dias felizes e sem preocupações. A árvore gostava muito dessa época. O menino cresceu e se tornou um rapaz. Agora, por mais que a árvore o convidasse para brincar, ele não ouvia. Seu interesse era angariar dinheiro, muito dinheiro. A árvore generosa lhe disse um dia: - Apanhe minhas maçãs e as venda. O jovem aceitou a sugestão e a árvore ficou feliz. Por um longo tempo, ela não o viu. Ele se transferiu para outros lugares, viajou, angariou fama e fortuna. Quando ela o viu, outra vez, sorriu feliz e o convidou para brincar. Contudo, ele agora era um homem maduro. Estava cansado do mundo. Preocupações lhe enrugavam a testa. Tantos eram os problemas que nem ouviu o coração da árvore bater mais forte quando ele se encostou, de corpo inteiro, à sua sombra, para pensar. Queria sumir, desaparecer, desejando em verdade fugir dos problemas. A árvore generosa lhe sussurrou aos ouvidos e agora ele ouviu: - Derrube-me ao chão, pegue me tronco e faça um barco para você. Faça uma viagem, navegando nele. Ele aceitou a sugestão e a árvore tornou a se sentir feliz. Muitos anos se passaram. Verões de intenso calor, primaveras de flores, invernos de ventos e noites solitárias. Finalmente, o homem retornou. Estava velho e cansado demais para brincar, para sair em busca de riqueza ou para navegar pelos mares. A árvore lhe sugeriu: - Amigo, fui cortada, já não tenho sombra. Sou somente um toco. Que tal sentar e descansar? O velho aceitou a sugestão e a árvore ficou feliz.
Fazendo uma retrospectiva de nossas vidas, comparando-as com a da árvore e do menino, é possível que nos identifiquemos em alguns pontos. Quantas árvores generosas tivemos na vida? Quantas nos deram parte delas para que crescêssemos e pudéssemos alcançar nossos objetivos? Se as fôssemos enumerar todas, talvez não coubessem seus nomes em uma só folha de papel: pais, amigos, irmãos, vizinhos, colegas. Por isso, essa é uma homenagem de gratidão a todas as árvores generosas dos nossos caminhos. A todos os que foram sustento, abrigo, aconchego, fortaleza. Obrigado, amigos. Obrigado, Senhor da Vida.
Texto enviado por Roy Lacerda do blog MomentoBrasil e foi aqui postado por ser pertinente à proposta do Arca.

12 comentários:

* Verinha * disse...

Que linda mensagem essa Maria José!.. Com certeza muitas vezes em nossa jornada encontramos "árvores generosas".. que por vezes não nos damos conta disso. De fato a gratidão é a virtude que todos nós devemos cultivar em nosso coração!

Um beijo imenso em seu coração..
Verinha

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

OI MARIA JOSÉ QUE LINDA HISTÓRIA ADOREI VIR LER!
BOM FIM DE SEMANA
BEIJO

TRIBUNA-BRASIL.COM disse...

BARBARIDADE, TCHÊ!!!!!

Maria José, finalmente os textos normais retornaram, guria!!!!! Abraços. O INDIGNADO

Multiolhares disse...

Muito forte esta mensagem, temos tendencia a viver no passado e das coisas mais doridas, mas os pequenos momentos a que deveriamos chamar de felicidade deixamos passar
~bjs

Maria Adeladia disse...

Maria José, muito emocionante, a história.

Ela nos mostra do quão importante é valorizarmos as pessoas que fizeram ou fazem parte das nossas vidas, da dimensão que elas representam (ram) em nossa caminhada. Mesmo que algumas tenham contribuído pouco, este pouco talvez tenha feito toda a diferença em nossoas atitudes, forma de ver a vida.

Boa noite, linda, e tenha um fim semana prudutivo e lindo, como vc.

Beijos.

Meire disse...

Maria, que maravilha de história, mas a verdade é que geralmente as pessoas não percebem o quão generosas são as árvores que achamos pelo caminho e que sem elas não seríamos ninguém!!

Tenha um final de semana iluminado viu?!!!
bjokitas com imenso carinho pra vc ;)

cidinha disse...

Nossa, Maria é uma bela reflexção!Quantas árvores, já se passaram em nossa vida e não percebemos o seu valor.Bjs, tenha um lindo fim de semana!

Mafalda S. disse...

Podes não acreditar, mas todos os dias agradeço a Deus, pelas coisas boas que consegui ao longo da vida.

Beijinhos

Multiolhares disse...

Fico grata por teres gostado do poema, é claro que o podes trazer contigo, sabes que quase todos nós temos dificuldade de aceitar até falar sobre a morte mas eu aceito como algo muito normal uma consequencia da vida e penso que nos deviamos preparar para essa realidade pois são os medos e neste caso o medo do desconhecido que nos fazem fexar as partas ao conhecimento,também sei que este tema foi algo muito trabalhado por ti pois a vida assim te obrigou, tenho muito carinho respeito pelo ser que és,os meus estudos de procura interior estão no caminho budista e gnose e já agora temos algo em comum o nome também sou Maria Jose.
que tenhas um fim de semana cheia de Luz
Namastê

Vida*** disse...

Gratidão e um intenso e profundo Amor a cda raiz dessa Àrvore.Pequenos somos. Mas,os Sentimentos transbordam rios e mares.Bjo no caração e Alma por cda momento compartilhado.

Jorge disse...

Linda mensagem!!!!
Tocante, nos faz meditar quanto aos nossos valores em relação à Mãe Natureza.

Um beijo, Anjo!!!

Senhor da Vida disse...

Obrigado!Obrigado!Muito Obrigado!
E que em sua vida muitas arvores iguais a essa possam ser o seu descanso, o seu momento de alegria, de sonhos, de paz!
Grande beijo!