Páginas

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O DIA EM QUE MINHA MÃE TRANSFORMOU BATATAS EM PÊRAS



Minha mãe era analfabeta, mas sabia fazer contas como ninguém. Multiplicava os salgadinhos que fazia pelo preço unitário e chegava ao resultado antes mesmo de nós, os filhos, que sabíamos a tabuada de cor. Ela não sabia ler, mas exigia que os filhos só tirassem notas boas na escola.
Era Dia das Mães. Eu tinha 15 anos. Morávamos em uma casinha simples e brilhante no interior do Paraná. Minha mãe havia recebido uma encomenda muito grande de salgadinhos e tinha ganhado um bom dinheiro. Prometera que o almoço desse dia, além daquele frango maravilhoso que ela fazia como ninguém, teria uma sobremesa surpresa.
Estávamos acostumados aos doces de todo dia: de abóbora, de mamão, de cidra... Mas eram doces caseiros, doces que já não tinham a surpresa do sabor. Ficamos imaginando qual seria a surpresa. Um pudim de leite condensado? Morangos com chantilly? Era época de morangos?
Domingo, mesa posta, a família reunida. Esperávamos meu pai que tinha ido à missa. No ar, uma alegria misturada com o mistério da sobremesa. Meu pai chegou, almoçamos...
“E, mãe, cadê a sobremesa?”
Não havia nada na geladeira, nada que nossas bisbilhotices pudessem ter descoberto! Minha mãe foi até seu quarto e, de dentro do armário, tirou uma caixa de papelão. Dentro, bem escondidas, embrulhadas em jornal, havia três latas de doces. De doces, como ela supunha que fossem.
“Vejam só crianças”, disse minha mãe.”Pêras em calda!!”
Na foto que ilustrava a lata, as batatas eram facilmente confundidas com pêras. Minha mãe, que não sabia ler, não poderia imaginar que existisse batata em conserva. E em latas, como as pêras e os pêssegos.
Ninguém teve coragem de falar. Ou, antes, ninguém queria falar. Minha mãe começou a abrir aquelas latas, feliz e orgulhosa. Despejou o conteúdo numa travessa e, acho que na excitação do ato, nem percebeu que eram batatas.
Ela começou a servir um por um. Todos quietos, recebendo suas porções sem saber o que dizer. O primeiro começou a comer, seguido por outro, e outro, que seguiu os demais. E, de repente éramos quatro filhos e um pai comendo batatas como se fossem pêras. Minha mãe tinha o hábito de servir os filhos. Ficava andando pela cozinha e, quase sempre, só se sentava quando praticamente tínhamos acabado a refeição.
Quando terminamos de comer a sobremesa – juro, juro, que todo mundo comeu toda a sua porção – minha mãe perguntou: “Estava bom?” Todos responderam que estava ótimo. Sobrou na tigela uma batata. Minha mãe disse que não queria, não gostava de pêra. Meu pai, rapidamente, falou: “Vou acabar com esse pedaço então. Está muito bom!”
Minha mãe morreu em 2006.
Nunca soube que serviu batatas de sobremesa. Porque, para nós, o que comemos naquele dia foi a pêra mais saborosa do mundo. Mesmo que não o tenha sido naquele dia, nas nossas lembranças, aquela cumplicidade muda, com que nós, seus filhos, nos comunicamos só com o olhar, transformou a batata azeda na fruta doce.

Enviado por Duendes do blog http://terradeduendes.blogspot.com/

23 comentários:

Mãe 24hs disse...

Que relato tocante! Quanto amor por essa mãe! Às vezes é tão melhor omitir uma verdade pra não causar aborrecimento ou tristeza ao outro. O que realmente importava não era a qualidade da sobremesa, mas o carinho com que esta foi comprada. Beijos e fique com Deus!

Michelle Crístal disse...

Gostei, uma reminiscência! Daquelas de viajar no tempo! Voltar á velha casa e rever a velha infância!

José Gonçalves disse...

Olá Maria José Rezende,

Uma história, com gente de verdade, com situações de verdade, com sentimentos verdadeiros, até na cumplicidade.

Surpreendente a mensagem de Amor para todas as Mães do Mundo, que tudo deram aos seus Filhos, quantas vezes esquecendo-se delas mesmo!

Tenho uma Mãe assim!

Uma Mãe que não me teve mas me criou desde os 4 anos.

Muito mais Mãe que qualquer outra Mãe!

É uma homenagem merecida a todas as Mães.

Agradeço-te mais uma vez tão bela mensagem.

Um abraço e até sempre,

José Gonçalves
(Guimarães)

ONG ALERTA disse...

As lembranças fazem magica no coração, paz.
Beijo Lisette

Poeta del Cielo disse...

Querida amiga linda historia.. el amor que una madre nos entrega e tao grande que ate un pao que de suas maos nos entrega e tan doce que nele o cariño dela ao compàrtir e muito grande y con amor verdadeiro ... que linda historia amiga.. felicidades

Abracos
linda semana

ValériaC disse...

Que tocante história querida...muito lindo o tamanho do amor desta família...beijinhos...
valéria

Sinais no Mundo... disse...

Visite Sinais No Mundo e faço o discernimento sobre a Vida Contemplativa.

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

PARA VER MINHA MÃEZINHA FELIZ COMERIA ATÉ JILÓ AO VINAGRETE!
(que é muito bom por sinal)
tenha uma noite de paz e luz!
beijo

GEEL - Grupo Espírita Esperança e Luz disse...

Boa moite amiga, que história linda de amor e cumplicidade.
Como é bom lembrar coisas que nos remetem à infância, onde a inocência ainda impera em nossos corações.
Beijos, com muito carinho e admiração.

Kelly disse...

QUe linda demonstração de amor e reconhecimento a mãe!!! Me emocionei ao ler. beijos

Alma Aprendiz disse...

Nossa..........!!!!

Fiquei muito emocionada...História lindissima!

Que sauades de mnha mãe que já partiu já faz muito tempo.

Beijos em seu coração e muita paz

momentobrasilcom.com disse...

MARIA JOSÉ: Harmonia e educação familiar, típica dos anos 40. Lembrou-me oa almoços em casa do vovô(qto ao respeito mútuo) de filhos e netos. Tive uma criação familiar bastante parecida, qto a ação realizada, entre pai e filhos. Abrçs. Roy Lacerda.

alegria de viver disse...

Olá querida

Sempre digo que o amor faz milagres basta querer.

Com muito carinho BJS.

GENINHA disse...

Muito linda esta sua história, muito tocante.
Um abraço de Portugal !
Beijinhos

Bloguinho da Zizi disse...

Veja Maria José
Essa mãe era tão velada em relação aos seus que não poderia ser diferente a atitude da família.
Isso se chama amor.
Lindo.
Grata por compartilhar tão linda história.
Beijo
alzira

Rosane Marega disse...

Oie Maria, bom dia e que seja um lindo dia! Maravilhoso e cheinho de energias positivas viu. Passei para te ler, admirar e deixar meu beijo!

angela disse...

O que o amor não faz?
Linda história.
beijos

Celina disse...

Oi maria José, muito tocante esta estória, ver como eram educadas essas crianças e como existia amor e cumplicidade entre ambos.Um abraço carinhoso. Celina

finityster disse...

Que emocionante!
Essa história me fez chegar às lágrimas!
Com certeza, nas famílias de hoje, a cumplicidade está longe de existir.
Belo depoimento!

Pelos caminhos da vida. disse...

Esse post me fez voltar ao tempo das sobremesas: abobora, cidra, figo...doces caseiros, mas que são os meus preferidos.

Linda história.

beijooo.

Adolfo Payés disse...

Muy bella tu historia, gracias querida amiga por compartirla.. un beso. con mucho cariño te dejo.

Siempre es un inmenso placer leerte..

Un abrazo
Saludos fraternos...

Que tengas un bello día...

Que disfrutes de un hermoso fin de semana....

Jorge disse...

Maria José,

linda história. E tocante.
Que mãe!!! E que Amor na família!!!

Um beijo, Coração e obrigado por compartilhar este Amor em forma de história.

Beijo, sempre!

Cantinho She disse...

Querida Maria José vc tem o dom de me emocionar e muito, que lindo o que vcs fizeram, atitude para poucos, lindo demais! Parabéns!
Beijo, beijo! ;)