Páginas

terça-feira, 23 de março de 2010

A TRANQUILIDADE DAS OVELHAS


A noite estava escura, céu sem estrelas.
De vez em quando ouvia-se o uivo de um lobo bem longe, misturado com o barulho do vento.
As crianças reunidas na tenda do Mestre Benjamin estavam com medo. Mestre Benjamim sentiu o medo nos seus olhos. Foi então que uma delas perguntou:
- Mestre Benjamim, há um jeito de não ter medo? Medo é tão ruim!
Mestre Benjamim respondeu:
- Há sim... E ficou quieto.
Veio então a outra pergunta:
-E qual é esse jeito?
-É muito fácil. É só pensar como as ovelhas pensam...
-Mas como é que vou saber o que as ovelhas estão pensando?
Mestre Benjamim respondeu:
-Quando durante a noite, as ovelhas estão deitadas na pastagem, os lobos estão à espreita. E eles uivam. As ovelhas têm medo.
Mas aí, misturado ao uivo dos lobos, elas ouvem a música mansa de uma flauta. É o pastor que cuida delas e não dorme nunca. Ouvindo a música da flauta elas pensam:
Há um pastor que me protege.
Ele me leva aos lugares de grama verde
E sabe onde estão as fontes de águas límpidas.
Uma brisa fresca refresca a minha alma.
Durante o dia ele me pega no colo e me conduz por trilhas amenas.
Mesmo quando tenho de passar pelo vale escuro da morte eu não tenho medo.
A sua mão e o seu cajado me tranqüilizam.
Enquanto os lobos uivam, ele me dá o que comer.
Passa óleo perfumado na minha cabeça para curar minhas feridas.
E me dá água fresca para sarar o meu cansaço.
Com ele não terei medo, eternamente...
(Salmo 23, paráfrase)
Mestre Benjamim parou de falar.
Os olhos de todas as crianças estavam nele.
Foi então que uma delas levantou a mão e perguntou:
-E os lobos? Eles vão embora? Eles morrem?
-Os lobos continuam a uivar. E continuam a ser perigosos. O pastor não consegue espantar todos eles. E por vezes eles atacam e matam.
Mas as ovelhas, ouvindo a música da flauta do pastor dormem sem medo, não porque não haja mais perigo, mas a despeito do perigo. Não há jeito de acabar com o perigo. Mas há um jeito de acabar com o medo.
Coragem é isso: dormir sem medo a despeito do perigo...
As crianças voltaram para suas tendas e dormiram sem medo, pensando nos pensamentos das ovelhas.
De vez em quando, lá fora, ouvia-se o uivo de um lobo faminto.
Desde então, tornou-se costume contar ovelhinhas para dormir.

13 comentários:

Bloguinho da Zizi disse...

Tomara os lobos também ouvissem a flauta do pastor.

Lindo esse texto, não conhecia.
Me fez bem lê-lo.

Gratidão menina
Beijinhos

Eliana Pessoa disse...

Vc vai se cansar de me ver por aqui,mas eu ñ consigo deixar de comentar uma leitura maravilhosa dessa!
Quando criança adoraria ter ouvido essa história tinha tanto medo!!!!
Sofri muito e agora vendo assim contado dessa forma me trás um grande alivio como se eu ainda fosse criança e só hoje meu medo fosse esplicado!!!
Obrigado!
BEIJO

cantinho she disse...

Oi querida, bjo, bjo! ;)

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Amiga.

Se há uma coisa que agradeço
a vida, são os muitos pastores
que com suas flautas cuidam de mim.

Rubem Alves é a minha inspiração.
No blog sonhos de um professor,
escrevi muitos textos para o genial educador.
Quando um destes textos foi comentado por ele
a minha alegria foi intensa.
Alegria de devolver sementes ao grande mestre.

Que o teu coração seja sempre casa de alegria.

Crista disse...

Mé...mééé...mééééééé...
Tradução: LINNDOOOOOOOOOOOOOO!!!!!

Tiquetaqueando...
Não... não é o som do meu coração, nem do meu relógio... é o barulhinho dos meus saltinhos, passeando no teu cantinho (já está cansando tanto inho,né?), para reabastecer minha alma de coisas lindas que só encontro por aqui... nem precisas dizer que pensastes:
Essa Crista me paga... tá pensando o que? Se ela não me visita, eu também não a visito!!!!!
E eu kéko???? Não estou nem aí... se tu não vens, eu vou... aaaeeeeeeeee... viu como não adianta ficar longe de mim?????
Eu sou a tal da chiclet... grudo até no pensamento!!!
Agora que voltei a brilhar com a tua luz... eu vou... e tenha a certeza de que te leio sempre, que gosto muito de ti e que FELIZMENTE, nunca mais vou largar de teu pé... huaschuaschuasch...
Beijo a palma da tua mão...

Zininha disse...

É amiga... todos temos nossos anjos da guarda...
basta acreditar...

Felizes dias, noites belíssimas a você amiga...uau...que delícia estar aqui... beijos...

Elizabeth disse...

Oi Maria José,
Vim para ler e desejar uma boa noite e que possamos ser úteis em espírito enquanto nosso corpo repousa (talvez varrer algum pátio).
Beijo.

TRIBUNA-BRASIL.COM (O Indignado) disse...

Oi Amiga: ví pelo teu peril por sinal bastante interessante, que és o resultado de uma série de experiencias. Lí apenas tua pagina inicial e percebí que es una persona bastante preocupada que teu semelhante. Tuas postagens são de autoajuda, levantando sempre o astral. Pessoas sofridas em geral, tornam-se boas conselheiras, TCHê!. Dou-te os parabéns. E olha! não sou de elogiar. Ès realmente inteligente, guria. Que DEUS te abençoe sempre. (O INDIGNADO).

Fernando Christófaro Salgado disse...

Olá Maria José,

Ótima história para ser contada para crianças e para adultos também! Em meio a tanta violência nosso medo só se dissipa com a confiança e fé plena em nosso Pastor!

Grande abraço,

Fernando C. Salgado.

angela disse...

Muito lindinho o texto.
beijos e vamos contar ovelhinhas.

*Teresa Cristina* disse...

Lindo texto!!
Adivinha??....compartilhar lá no centro com os amigos da evangelização....fantástico!
Bjss

Mari disse...

Maria José, bom dia!
Ah minha amiga que lindo o texto. É muito bom vir aqui e encontrar sempre algo que mima a alma da gente!
Um beijo

Luísa N. disse...

Oi Maria José,
Como disse seu leitor aí em cima, é uma história boa para crianças e adultos. E que moral! Sim, sabendo que há um Pastor que vela por nós, pra que medo, não é?
Um carinhoso abraço,
Luísa