Páginas

terça-feira, 30 de março de 2010

RELACIONAMENTOS


Depois de muito meditar sobre o assunto concluí que, os casamentos (relacionamentos) são de dois tipos: Há os casamentos do tipo tênis e há os casamentos do tipo frescobol.
Os casamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal. Os casamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa.
Explico-me.
Para começar, uma afirmação de Nietzsche com a qual concordo inteiramente. Dizia ele: “Ao pensar sobre a possibilidade do casamento, cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria, capaz de conversar com prazer com esta pessoa até sua velhice”?
Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar.
Sheerazade sabia disso. Sabia que os casamentos baseados nos prazeres da cama são sempre decapitados pela manhã, terminam em separação, pois os prazeres do sexo se esgotam rapidamente, terminam na morte, como no filme “O Império dos Sentidos”.
Por isso, quando o sexo já estava morto na cama e o amor não mais se podia dizer através dele, ela o ressuscitava pela magia da palavra: começava uma longa conversa sem fim, que deveria durar mil e uma noites.
O sultão se calava e escutava as suas palavras como se fosse música.
A música dos sons ou da palavra - é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer.
Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras. E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo: ”Eu te amo...”
Barthes advertia: “Passada a primeira confissão, “eu te amo” não quer dizer mais nada. É na conversa que o nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética”.
Recordo a sabedoria de Adélia Prado: “Erótica é a alma”.
O tênis é um jogo feroz. O seu objetivo é derrotar o adversário. E a sua derrota se revela no seu erro: o outro foi incapaz de devolver a bola.
Joga-se tênis para fazer o outro errar. O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do seu adversário, e é justamente para aí que ele vai dirigir sua “cortada”, palavra muito sugestiva, que indica o seu objetivo sádico, que é o de cortar, interromper, derrotar.
O prazer do tênis se encontra, portanto, justamente no momento em que o jogo não pode mais continuar porque o adversário foi colocado fora de jogo. Termina sempre com a alegria de um e a tristeza de outro.
O frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola. Só que, para o jogo ser bom, é preciso que nenhum dos dois perca.
Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo, para que o outro possa pegá-la.
Não existe adversário porque não há ninguém a ser derrotado. Aqui, ou os dois ganham ou ninguém ganha. E ninguém fica feliz quando o outro erra, pois o que se deseja é que ninguém erre. E o que errou pede desculpas, e o que provocou o erro se sente culpado.
Mas não tem importância: começa-se de novo este delicioso jogo em que ninguém marca pontos...
A bola: são nossas fantasias, irrealidades, sonhos sob a forma de palavras.
Conversar é ficar batendo sonho prá lá, sonho prá cá...
Mas há casais que jogam com os sonhos como se jogassem tênis. Ficam à espera do momento certo para a cortada.
Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destruí-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão. O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento. Aqui, quem ganha sempre perde.
Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado, pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração.
O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres. Bola vai, bola vem - cresce o amor...
Ninguém ganha para que os dois ganhem. E se deseja, então, que o outro viva sempre, eternamente, para que o jogo nunca tenha fim...

17 comentários:

Silvia disse...

Muito interessante a análise do casamento. Ainda bem que o meu é do tipo frescobol, há 30 anos.
Abraço

Elaine Barnes disse...

Menina postei um comentário e quando cliquei apareceu um monte de coisas estranhas no seu blog

Elaine Barnes disse...

Bem, não consigo repetir tudo que eu tinha escrito aqui. Adorei o final.É uma troca,quando ela acaba,acabou-se o casamento. Montão de bjs e abraços de Feliz Páscoa e Renascimento

MOMENTOBRASILCOM.COM disse...

Maria José: Relacionamentos só são verdadeiros e duraveis, qdo baseados td o tempo em diálogos, independentemente do sentimento nutrido por ambos. A percentagem correta é: 40% dialogos,20% sentimentos ,20% sexo, 10% renúncias(mútuas)e 10|% incompatiilidades, segundo pesquisa alemã em 1970. Abrçs. Roy Lacerda.

ONG ALERTA disse...

É pura verdade, as vezes não conseguimos viver consoco...tudo são momentos e tudo se aprende, principalmente a ficar só, paz.

b disse...

Casamento é falta de imaginação - com exceção é claro de Sherazade.
Não sei se escrevi exceção certo.
Só sei que é melhor viver, dormir com um amigo do que com quem se pensa ser o objeto de expectativas tão mornas como são as românticas.
Amarga?
Talvez.

angela disse...

~Ele escreve tão bem...
beijos

Crista disse...

1 da madruga e eu aqui...onde melhor me refugiar,instruir,meditar???
Sobre o texto...ótimo!
Sou casada muitíssssssimos anos,fora o que a gente se conheceu antes,tempo de namoro,tempo de noivado(sou do tempo de noivar...rsrsrsrsrs)e te digo que separar só quando tivermos que partir para além da vida e mesmo assim grudo nele...sério agora...diálogo é tudo...mesmo jogando umas panelas um no outro...rsrsrsrs...só para fazer rir!!!!
Coisa mais querida...te gosto muito,viu?
OBRIGADA por me aceitar do jeito que sou!
Beijo-te a palma de tua mão!

JR disse...

Casamento, só se torna um tormento ,quando não for bem explicado.
Existem inumeras formas de casamento ,muitas vezes quem não casa por amor ,acaba na mais triste dor, a espera do milagre.
Milagre da mudança ,daquele que não alcança ,atender expectativas.
Maria josé,amiga querida ,estou com saudades e tua encomenda já está a caminho ,espero que chegue junto com o coelhinho ,que se encarregou de ti entregar.
Feliz Pascoa e muita luz.
beijos

Pelos caminhos da vida. disse...

Páscoa significa renascimento, renascer.
Desejo que neste dia, em que nós cristãos,
comemoramos o seu renascimento para a vida eterna,
possamos renascer também em nossos corações.
Que neste momento tão especial de reflexão
possamos lembrar daqueles que estão aflitos e sem esperanças.
Possamos fazer uma prece por aqueles que já não o fazem mais,
porque perderam a fé em um novo recomeçar,
pois esqueceram que a vida é um eterno ressurgir.
Não nos deixe esquecer
que mesmo nos momentos mais difíceis do nosso caminho,
tú estás conosco em nossos corações,
porque mesmo que já tenhamos esquecido de ti,
você jamais o faz.
Pois, padeceste o martírio da cruz em nome do Pai
e pela humanidade,
que muitas e muitas vezes esquece disso.
Esquecem de ti e do teu sacrificio
Quando agridem seu irmão,
Quando ignoram aqueles que passam fome,
Quando ignoram os que sofrem a dor da perda e da separação,
Quando usam a força do poder para dominar e maltratar o próximo,
Quando não lembram que uma palavra de carinho, um sorriso,
um afago, um gesto podem fazer o mundo melhor.
Jesus...
Conceda-me a graça de ser menos egoísta,
e mais solidário para com aqueles que precisam.
Que jamais esqueça de ti e de que sempre estarás comigo
não importa quão difícil seja meu caminhar.
Obrigado Senhor,
Pelo muito que tenho e pelo pouco que possa vir a ter.
Por minha vida e por minha alma imortal.
Obrigado Senhor!

(texto da net).

Feliz Páscoa amiga.

beijooo.

sarah disse...

"O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres!" EXATO!

parabéns pelo seu blog, ele é lindo.
beeijos flor !

manuel marques disse...

Um bom casamento seria aquele em que esqueceríamos, de dia que somos amantes e de noite que somos esposos .

Beijo.

Norma Villares disse...

Este tema deve ser sempre debatido.
Devemos ler, para aprender e depois realizar.
Feliz Páscoa!
Grande e afetuoso abraço

PS: dia 02.04. estréia o filme de Chico Xavier, vamos todos juntos encher os cinemas.

A.S. disse...

Maria José,

Acho que me vou repetir, mas na verdade ler-te é uma delicia!


BeijOOO
AL

Graça Pereira disse...

Zézinha
Primeiro deixa-me dizer-te uma coisa: estás linda nesta nova foto..Miss Brasil..por aí!
Achei este tema oportuno num momento em que aqui em Portugal é um casa descasa, nunca visto! Ping-pong autêntico... Estou de acordo que a conversa, o diálogo, é muito importante, o interessar~se pelo gosto do outro mas a sério e ás vezes, chega-se á conclusão de que também gostamos. Não é só pelo sexo que o casamento se mantem...passados os tempos de euforia,descobrimos que gostamos de comentar o mesmo livro ou filme, descobrimos qualidades que ainda não tinhamos reparado bem e depois...fica uma ternura, uma amizade que já não se consegue passar um, sem o outro..
Belo tema! Parabens!
Um beijo amigo
Graça.

Fazendo Diferente disse...

O casamneto, é preciso haver o ágape(amor espiritual), sem o qual é impossível perdurar.

Fernando Christófaro Salgado disse...

Maria José,

Quero lhe desejar uma Feliz Páscoa e que o mestre Jesus esteja sempre iluminando seu coração!

Grande abraço,

Fernando C. Salgado.