Páginas

sábado, 2 de janeiro de 2010


Dizem que em certa ocasião, uma mulher que levava uma criança nos braços, propôs a Gibran:
“Mestre, falemos dos filhos”.
E ele respondeu:
Seus filhos não são seus filhos. São os filhos e as filhas dos desejos que a vida tem de si mesma.
Vêm através de vocês, mas não são de vocês e, ainda que vivam com vocês, não lhes pertencem.
Podem dar-lhes seu amor, mas não seus pensamentos, pois eles têm seus próprios pensamentos.
Podem abrigar seus corpos, mas não suas almas, porque suas almas moram na casa do amanhã, que nem mesmo em sonhos lhes será permitido visitar.
Podem empenhar-se para ser como eles, mas não tentem fazer como vocês fizeram, porque a vida não anda para trás, nem se detém no ontem.
Vocês são o arco por meio do qual seus filhos são disparados como flechas vivas.
O arqueiro vê o alvo sobre o caminho do infinito e dobra o arco com toda a força, a fim de que suas flechas partam velozes e para muito longe.
Que o fato de estarem nas mãos do arqueiro seja para suas felicidades, porque, assim como ele ama a flecha que dispara, ama também o arco que permanece firme.
Por isto vocês tiveram a liberdade de amar e a oportunidade de viver e fazerem suas vidas.
Deixem que seus filhos voem sós de seus ninhos quando chegar a hora e não lhes reclamem para que voltem.
Eles os quererão para sempre e terão também seus lares, nos quais, algum dia, ficarão sós, porém terão sido seus lares e suas vidas.
Deixem-nos livres.
Amem-nos com liberdade, não apaguem o fogo de suas vidas.
Vivam e deixem viver, assim eles os quererão sempre.

Foi um ilustre poeta libanés, filósofo e artista. Nasceu em 1883 e morreu em 1931. Sua fama e sua influência se derramaram por todo o mundo. Suas reflexões e sua poesia foram traduzidas para mais de vinte idiomas, e seus desenhos e pinturas são expostos em grandes cidades do mundo.

7 comentários:

alegria de viver disse...

Olá querida amiga
Nós sabemos que são seres livres, mas só uma mulher teve essa sabedoria, esse amor incondicional, NOSSA SENHORA MÃE DE JESUS.
Com muito carinho BJS.

Adolfo Payés disse...

Que bello post ns entregas.. impresionante la vida del artista..

Un beso.

Feliz Año Nuevo..

Un abrazo
Saludos fraternos..

Feliz fin de semana...
PD:Que tengas un año 2010 de los mejores.

Espírito Azul disse...

Maria José, oi minha querida amiga! Criamos os filhos e na verdade os queremos para nós. Os meus ainda são pequenos e vivem a correr ao meu redor. Sei que um dia deverei deixá-los voar como a flexa! Mas qual coração de mão não chora neste momento? Sou egoísta sim ao pensar na partida dos meus pequenos. Mas sei também que eles vieram para uma missão e que no momento certo deverão partir para comprí-la, por isso, venho trabalhando para que sejam fortalecidos na vivência do Evangelho do Cristo. Um dia voarão e ficarei como o arco não mão do arqueiro e eles serão vitorioso. Que sob as mãos abençoadas do Cristo este Blog no ano de 2010 continue a iluminar almas como o fez em 2009. Que sua luz continue sempre a ilumar nossos corações com passagens tão lindas. Abraços!

Jorge disse...

Maria José,
que sensibilidade do grande Gibran.
Filhos são nosso tesouros sem nos pertencer. Um empréstimo e confiança do Pai para nós.

Com amor,
Jorge

Sônia Silvino disse...

Maria José!
A minha sogra deveria ler esse texto. Ela acha que os filhos existem para ficar sempre perto dela, atendendo aos seus pedidos, pois ela "não gosta" de ficar só. Inclusive, sem casar e continuando a morar junto. Pode??? Imagine quanta história eu teria pra te contar.
Bjkas, minha linda amiga!

Adelia Ester Maame Zimeo disse...

Maria José, a sabedoria de Gibran é maravilhosa! Este texto, especialmente, que fala sobre filhos e como sentí-los é de uma visão bem expandida. Penso que o mesmo deveria nortear a concepção dos pais, para poderem auxiliar no desenvolvimento emocional de seus filhos. Muitas distorções seriam evitadas, além de sofrimentos desnecessários. Querida amiga, mais um ano iniciando, no qual estaremos compartilhando-o juntamente, para minha satisfação. Muito grata por suas palavras sempre tão atenciosas! Beijo.

Sonia Schmorantz disse...

Pior que a gente sabe tudo isso, mas dá uma vontadinha de cooperar mais, de saber mais, de se adiantar para proteger...mas tem razão, a nós não é permitido conhecer do futuro e o amanhã pertence a eles, é a vida quem os quer, eles só vêm através de nós!
beijos, lindo domingo